Jogamos fora mais de um bilhão de toneladas de alimentos por ano. O relatório de desperdício de alimentos da ONU é assustador

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

O mundo joga cerca de um bilhão de toneladas de alimentos no lixo todos os anos. Uma quantidade que talvez não sugira muito, mas vamos imaginar assim: é o peso de 23 milhões de caminhões de 40 toneladas carregados, de para-choque a para-choque, alinhados 7 vezes ao redor da Terra.

Os números fornecidos pelo novo Relatório do Índice de Resíduos Alimentares da ONU de 2021 são alarmantes. O dossiê elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e a organização parceira WRAP fez um balanço dos resíduos alimentares que são consumidos nas lojas, restaurantes, mas sobretudo nas nossas casas. Este é o estudo mais abrangente sobre resíduos alimentares realizado até hoje e, infelizmente, as notícias estão longe de ser tranquilizadoras.

De acordo com a análise, 17% de todos os alimentos disponíveis são desperdiçados. Isso também tem implicações para as mudanças climáticas e o aquecimento global, já que a indústria de alimentos é responsável por uma grande parte das emissões. Como resultado, poluímos para produzir alimentos que muitas vezes nem comemos e que acabamos jogando fora.

De acordo com a pesquisa, aproximadamente 931 milhões de toneladas de alimentos acabaram nas lixeiras de residências, varejistas, restaurantes e outros serviços de alimentação, um número insustentável que deve ser reduzido pela metade até 2030. O relatório constatou que, em quase todos os países envolvidos, o desperdício de alimentos foi significativo, independentemente do nível de renda.

É principalmente culpa dos consumidores

Não culpamos grandes varejistas, restaurantes, cantinas. Nós, em casa, somos os principais culpados dessa carnificina de alimentos. De acordo com o dossiê, de fato, a maior parte do lixo vem das famílias, que descartam 11% dos alimentos, o equivalente a 61% do bilhão de toneladas. Os serviços de catering e outlets perdem 5% e 2%, respetivamente. Globalmente per capita, jogamos fora 121 kg a cada ano. Só o Brasil desperdiça 41 kg per capita por ano, segundo a FGV.

©Unep

Além disso, segundo a ONU, o desperdício de alimentos não está vinculado à renda, mas está presente de forma igualmente relevante em todos os países, o que traz uma novidade em relação aos estudos anteriores.

©Unep

“Por muito tempo, pensou-se que o desperdício de alimentos em casa era um problema significativo apenas nos países desenvolvidos”, disse Marcus Gover, CEO da WRAP. “Com a publicação do relatório, vemos que as coisas não estão tão claras”.

©Unep

 Os efeitos no clima

O desperdício de alimentos tem impactos ambientais, sociais e econômicos significativos. Por exemplo, em um momento em que a ação climática ainda está atrasada, 8% -10% das emissões globais de gases de efeito estufa estão associadas ao não consumo de alimentos, se levarmos em conta as perdas registradas antes do alimento chegar ao consumidor.

“Reduzir o desperdício de alimentos reduziria as emissões de gases de efeito estufa, desaceleraria a destruição da natureza e da poluição, aumentaria a disponibilidade de alimentos e, assim, reduziria a fome e economizaria em um momento de recessão global”, disse Inger Andersen, Diretor Executivo do PNUMA. “Se quisermos levar a sério o combate às mudanças climáticas, a perda da natureza e da biodiversidade, a poluição e o lixo, empresas, governos e cidadãos em todo o mundo devem fazer sua parte para reduzir o desperdício de alimentos. A Cúpula de Sistemas Alimentares da ONU deste ano proporcionará a oportunidade de lançar novas ações ousadas para combater o desperdício de alimentos em todo o mundo”.

Com 690 milhões de pessoas afetadas pela fome em 2019, um aumento acentuado devido ao COVID-19 e três bilhões de pessoas sem condições de pagar uma dieta saudável, reduzir o desperdício é ainda mais importante.

Para ler o relatório, clique aqui

Fonte: Unep

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest