Conheça as frutas e vegetais com mais pesticidas que ameaçam seus hormônios

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Os desreguladores endócrinos são um problema com o qual devemos nos preocupar seriamente e que devem nortear nossas compras. Na verdade, por causa de tantos produtos comumente usados, corremos o risco de sermos expostos diariamente a essas substâncias perigosas, infelizmente também presentes nos alimentos. A ajuda para minimizar a exposição de frutas e vegetais é fornecida por um novo guia.

O Pan Europe Consumer Guide 2021, criado pela Pesticide Action Network Europe (PAN), uma rede de organizações não governamentais europeias que promovem alternativas sustentáveis ​​aos pesticidas, é uma ferramenta útil para nós, consumidores, uma vez que nos ajuda a compreender em que tipos de vegetais e frutas os desreguladores endócrinos estão particularmente presentes para nos fornecer estratégias para minimizar a exposição a essas substâncias.

Como o guia explica, o sistema hormonal ou endócrino é um sistema muito complexo e as glândulas são os principais órgãos produtores de hormônios. É parte da tireoide que produz hormônios envolvidos no controle do metabolismo, do sistema cardiovascular e do desenvolvimento, mas também os testículos e ovários que produzem hormônios esteroides sexuais que controlam o desenvolvimento dos órgãos reprodutivos, reprodução, processos metabólicos e muito mais.

Não é difícil entender o quão importante é que este sistema esteja saudável e não seja perturbado por substâncias estranhas. E é aqui que entram em jogo os desreguladores endócrinos, produtos químicos que imitam ou interferem nos hormônios e, portanto, podem causar vários problemas de saúde.

Sabemos que os desreguladores endócrinos são encontrados em quase toda parte, em alguns cosméticos, por exemplo, mas também nos alimentos que consumimos, caso tenham sido cultivados com o uso de pesticidas.

O guia pan-europeu concentra-se em particular na presença em frutas e vegetais de pesticidas que interferem com o sistema endócrino (EDP).

Mas, onde eles estão mais presentes?

O Guia

O guia, na prática, usando dados do último relatório da EFSA sobre monitoramento de pesticidas, divide frutas e vegetais em 3 categorias:

  • Vermelho (alto risco de pesticidas desreguladores endócrinos)
  • Amarelo (risco médio)
  • Verde (produtos geralmente seguros)

A “lista vermelha” é aquela que inclui os alimentos a serem evitados, enquanto a “lista verde” inclui produtos que podem ser consumidos com segurança, pelo menos por adultos, mesmo que sejam oriundos da agricultura convencional. Os riscos são de fato maiores para crianças e especialmente para fetos que podem sofrer até danos graves devido a desreguladores endócrinos que podem passar pela placenta (para mulheres grávidas, bebês e crianças sempre recomendamos apenas alimentos orgânicos ou pelo menos da lista verde).

Os alimentos do “meio-termo” acabam na lista amarela, o que seria melhor comprar orgânicos ou substituir pelos da lista verde.

Lista Vermelha

Na lista vermelha encontramos songino e alface, raiz de salsa, groselha, cereja, pera, repolho, pêssego, morango e damasco.

lista frutas vegetais pesticidas red

@pan-europe

Lista amarela

Na lista amarela encontramos: amoras, uva de mesa, cenoura, salsa, maçã, alface, mirtilo, ameixa, aipo, rabanete, framboesa, espinafre, tomate, laranja, kiwi, feijão, pimentão, banana.

lista frutas vegetais pesticidas yellow

@pan-europe

Lista Verde

Na lista verde encontramos repolho, brócolis, alho, arroz, berinjela, tangerina, pepino, couve-flor, abobrinha, manga, cebola, melancia, abacaxi, milho, cereais, azeitonas, batata, abacate.

lista frutas vegetais pesticidas green

@pan-europe

Pesticidas desreguladores endócrinos mais comuns na Europa

A pesquisa mostra que, na Europa, em particular 5 pesticidas que alteram o sistema hormonal (EDP) estão presentes em frutas e vegetais.

O diagrama no guia também destaca os riscos potenciais de exposição a essas substâncias:

  • Boscalid: danos à tireoide e alterações nos hormônios da tireoide, malformação fetal e abortos espontâneos
  • Ditiocarbamatos (mancozebe etc.): danos à glândula tireoide, tumores da tireoide e outras doenças que afetam esta glândula, danos ao sistema reprodutivo e desenvolvimento fetal, alterações histopatológicas dos ovários e testículos
  • Tebuconazol:  problemas reprodutivos e malformações fetais, lesões renais, problemas nos órgãos sexuais e alterações hormonais.
  • Iprodion: problemas reprodutivos e alterações hormonais.
  • 2,4-d: efeitos negativos nas glândulas endócrinas e alterações nos níveis hormonais. Problemas de fertilidade, diminuição do peso ao nascer e sobrevivência infantil durante a amamentação.

Efeito coquetel

A pesquisa revela um problema cada vez mais discutido: o chamado efeito coquetel. Todos estamos expostos a diferentes pesticidas presentes no mesmo produto, mas também nos vários alimentos que consumimos ao longo do dia.

O guia pan-europeu mostra como alguns produtos, como cerejas e peras, contêm até 7 resíduos de pesticidas EDP ao mesmo tempo. Os pêssegos chegaram mesmo a atingir 9 EDP simultaneamente, mas o triste recorde vai para a alface, com 10 EDP.

Os riscos desse efeito do coquetel ainda precisam ser esclarecidos, alguns pesquisadores tendem a acreditar que tal “acúmulo” pode ser mais arriscado do que a exposição a uma única substância, visto que os diferentes resíduos podem interagir e potencializar uns aos outros.

Como limitar a exposição a desreguladores endócrinos em alimentos

Em conclusão, estas são as sugestões do Guia Pan-Europeu para evitar, tanto quanto possível, a exposição aos desreguladores endócrinos presentes nos alimentos devido aos pesticidas:

  • A melhor maneira de evitar a exposição a essas substâncias é comer produtos orgânicos ou de sua própria horta.
  • Lavar frutas e vegetais é sempre importante, mas geralmente não ajuda muito a reduzir a presença de pesticidas.
  • Descascar a fruta ajuda a remover os agrotóxicos presentes na parte externa dos produtos, mas infelizmente não resolve o problema dos que estão lá dentro.
  • Se adquirir um produto orgânico é um problema, os alimentos da lista vermelha devem ser evitados em todos os casos, para serem substituídos pelos da lista verde. Também para os alimentos da lista amarela recomenda-se substituí-los por produtos da lista verde.
  • Preste atenção ao país de origem. De fato, existem muitas diferenças entre os países em termos de pesticidas e aqueles com o pior desempenho devem ser evitados.
  • Para o feto, a exposição até mesmo à menor quantidade de resíduos de pesticidas pode ser um problema. O conselho para mulheres grávidas é ter cuidado redobrado.

Fonte: Pan Europa

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest