Greenpeace alerta: Coca-Cola, PepsiCo e Nestlé agravam a crise climática com seus plásticos

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

O novo relatório sobre o impacto da produção de plástico de uso único na crise climática foi divulgado pela associação Greenpeace e as previsões são alarmantes

Greenpeace O relatório Climate Emergency Unpacked sobre o uso de plásticos descartáveis ​​foi publicado , destacando as ligações comerciais e atividades comuns de lobby entre empresas que usam embalagens descartáveis ​​e a indústria de petróleo e gás. Segundo a associação, algumas multinacionais de bens de consumo não só não estão adotando medidas de combate à poluição, como até favorecem a expansão da produção de plásticos, com impactos negativos no clima e nas pessoas ao redor do mundo.

Por décadas, multinacionais de bens de consumo têm colaborado com a indústria de combustíveis fósseis para apresentar a reciclagem como uma solução para a poluição do plástico , embora a ineficácia dessa suposta solução seja agora evidente em escala global – diz o relatório. – Todas essas produtoras têm se esforçado para impedir a introdução de novas leis capazes de limitar o uso de embalagens e têm apoiado projetos de “reciclagem química ou avançada” que ainda permanecem no papel. Além disso, as indústrias de combustível fóssil e de uso único fazem parte de grupos de frente que ainda suportam essas soluções falsas hoje.

greenpeace-cocacola

@Greenpeace

A associação aponta o dedo, em particular, contra algumas multinacionais que faturam bilhões de dólares todos os anos e que baseiam seus negócios no uso de grandes quantidades de plásticos descartáveis: em primeiro lugar Coca-Cola, PepsiCo e Nestlé  – acusam, no relatório, ocultar informações relativas às cadeias produtivas de suas embalagens para ocultar as violações dos direitos humanos e ambientais pelas quais são responsáveis.

Há muito tempo, as multinacionais que usam grandes quantidades de plásticos descartáveis ​​em seus produtos tentam esconder os laços com as empresas de combustíveis fósseis e a indústria petroquímica. – Nossa investigação revela que eles têm objetivos comuns e continuam poluindo o planeta. Se empresas como Coca-Cola, PepsiCo e Nestlé realmente quisessem proteger o meio ambiente e as pessoas, deveriam encerrar imediatamente sua aliança com a indústria de combustíveis fósseis e abandonar os descartáveis ​​em seus produtos.

De acordo com a associação, se esses ritmos forem mantidos, a produção de plásticos descartáveis ​​triplicará até 2050, com o consequente aumento das emissões nocivas ligadas ao ciclo de vida dos plásticos em mais de 50% até 2030. destino, é o mesmo definido pelos Acordos de Clima de Paris para conter o aquecimento global em + 1,5 ° C.

greenpeace-cocacola

@Greenpeace

A petição

Para tentar combater a praga do plástico, o Greenpeace Itália lançou uma petição  para pedir às empresas líderes no mercado italiano que reduzam drasticamente o uso de garrafas plásticas descartáveis, das quais a Itália é um dos maiores consumidores do mundo: todos os anos no em nosso país, mais de 11 bilhões de garrafas plásticas são usadas (e jogadas fora); além disso, somos o terceiro no mundo (depois do México e da Tailândia) e o primeiro na Europa no consumo de água mineral em garrafas plásticas.

A petição também lança luz sobre a ilusão de reciclagem de garrafas plásticas, anunciada por muitas marcas de produtores: apenas metade do PET vendido no mundo é coletado para reciclagem e apenas 7% das garrafas coletadas para reciclagem são transformadas em novas garrafas – o resto acaba disperso na natureza, queimado em incineradores, depositado em aterros sanitários (muitas vezes manejados ilegalmente), aumentando ainda mais os danos ao meio ambiente.

AQUI você pode ler o relatório completo do Greenpeace. 

Fonte: Greenpeace

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest