As lavouras de gado e arroz são as principais causas das emissões de CO2 na atmosfera

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Produtos de origem animal produzem cerca de duas vezes as emissões de CO2 dos de origem vegetal, contribuindo maciçamente para o aquecimento global

A comida que comemos todos os dias tem um custo que não é apenas econômico, mas também e acima de tudo ambiental – em termos de emissões de dióxido de carbono na atmosfera. Uso da terra, agricultura intensiva, transporte de matérias-primas, processos de processamento industrial de alimentos, tudo isso gera cerca de 17 bilhões de toneladas de CO2 por ano, de acordo com um novo estudo realizado pela Universidade de Illinois. Os alimentos de origem animal, segundo os pesquisadores, são responsáveis ​​por 57% das emissões totais, enquanto os de origem vegetal produzem apenas 29% das emissões.

@ Nature Food

Não é o primeiro estudo que destaca como a mudança para uma dieta totalmente baseada em vegetais pode representar um benefício para o meio ambiente, mas é certamente o estudo mais detalhado e abrangente publicado sobre o assunto até agora. Os pesquisadores usaram dados de 171 safras e 16 produtos de origem animal de mais de 200 países, e cruzaram esses dados com modelos de computador para calcular as quantidades de dióxido de carbono, metano e óxido nitroso que cada alimento libera na atmosfera – desde sua produção até consumo. Na verdade, embora o CO2 seja muito importante, o metano gerado nas plantações de arroz e animais e o nitrogênio dos fertilizantes são 34 e 298 vezes mais poderosos na retenção de calor na atmosfera, respectivamente.

De todos os alimentos examinados, a produção de carne bovina é a principal causa de emissão de CO2 na atmosfera (25% do total das emissões), seguida do leite de vaca, porco e frango, nesta ordem. No que diz respeito às culturas, o mais poluente é o arroz – que é também a segunda produção mais poluente de sempre, responsável por 12% das emissões totais de CO2; depois do arroz segue-se a produção de trigo, cana-de-açúcar e milho.

Quanto à distribuição geográfica da produção de alimentos, o Sudeste Asiático é a região do mundo que mais concentra a produção de alimentos poluentes e a única onde as emissões relacionadas ao cultivo são superiores às relacionadas à produção de produtos de origem animal, devido à produção de arroz. . Entre as nações, China, Índia e Indonésia são os países onde a produção de alimentos vegetais produz as maiores emissões: nessas áreas, um aumento repentino da população gerou uma grande demanda por alimentos e levou à conversão de áreas naturais em plantações . As maiores emissões per capita de dióxido de carbono devido ao consumo de alimentos foram registradas na América do Sul, devido ao alto consumo de carne (especialmente bovina); Seguem-se a América do Norte e a Europa.

O estudo também dividiu as emissões de CO2 de acordo com os vários momentos de produção e consumo dos diferentes alimentos. Por exemplo, atividades agrícolas, como arar o solo ou converter florestas e outros ambientes naturais em pastagens e terras aráveis, sozinhas produzem 2/3 das emissões relacionadas à produção de alimentos.

Considerando que a população mundial está crescendo em ritmo acelerado, e que haverá uma necessidade cada vez maior de alimentos e água para alimentar a todos, seria bom repensar a forma como nos alimentamos em prol de uma dieta menos poluente, mais éticos e mais sustentáveis ​​para o planeta.

Fonte: Nature Food

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Com 25 anos e licenciada em Línguas Estrangeiras. Sempre esteve atenta às questões ambientais e visando um estilo de vida eco-sustentável. No seu pequeno caminho tenta minimizar a pegada ambiental com escolhas responsáveis, respeitando a natureza que a cerca.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest