Brasil recebe troféu “Cara de Pau” na COP-21 em Paris

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Ministros de quase 200 países estão em Paris participando da 21ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP-21) com o objetivo de chegar a um acordo para a luta contra o aquecimento global.

Entretanto, a última semana da COP-21 decorreu com poucos avanços conquistados. No texto preliminar do novo acordo global sobre o clima, que conta com 48 páginas, há quase mil pontos, ainda, em discussão, revelando o tamanho do desafio que os negociadores terão na semana final do encontro para que se tenha um acordo sério e eficaz, como é esperado.

É preciso que esse documento produza efeitos para impedir o aumento da temperatura da Terra em mais de 2ºC, o que causaria eventos climáticos extremos. “O que antes eram apenas previsões negativas nas quais uns acreditavam e outros não, agora é realidade”, explica André Ferretti, gerente de estratégias de conservação da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, que está acompanhando as negociações direto de Paris.

Um dos impasses da negociação é o limite de elevação das temperaturas globais até o fim do século (se em 2ºC ou 1,5ºC), quem irá financiar as intervenções contra as mudanças climáticas e quais as metas de longo prazo para zerar as emissões de gases geradores do efeito estufa. “Além disso, também é preciso definir a questão do financiamento após a entrada em vigor do novo acordo, em janeiro de 2021”, comenta Ferretti.

Na COP-16, realizada em Cancun, em 2010, foi estabelecida a criação do Fundo Verde do Clima para ajudar os países em desenvolvimento a lidar com o aquecimento global. “Seriam medidas de redução de emissões e também de adaptação aos impactos que já estão afetando a qualidade de vida em todo o planeta”, relembra Ferretti.

Na época, a promessa era de arrecadar US$ 100 bilhões por ano até 2020, oriundos de recursos públicos, privados e fontes alternativas. “Já estamos no final de 2015 e até agora esse valor anual nunca foi alcançado”, completa o gerente. O problema é que os países em desenvolvimento se defendem dizendo que precisam de mais recursos, enquanto os países desenvolvidos argumentam que não conseguem doar o valor acordado.

Entre os pontos sobre os quais não há consenso está o limite sobre a elevação das temperaturas globais até o fim do século (em 2ºC ou 1,5ºC), o financiamento para as intervenções contra as mudanças climáticas e as metas de longo prazo para zerar as emissões de gases causadores do efeito estufa.

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, concordam que o acordo deve prever um aumento máximo de 2ºC. Já os representantes dos países insulares do Pacífico e do Caribe, que são os mais afetados pelo aquecimento global, defendem uma barreira de 1,5 temendo a destruição desses países.

“O que temos percebido aqui em Paris é que todos acreditam que saíremos da COP-21 com um novo acordo global de clima. A dúvida maior é sobre se será legalmente vinculante (força de lei) ou voluntário, qual o nível de ambição (impedir aquecimento superior a 1,5 ou a 2 graus Celsius até o final do século), e financiamento (quem pagará a conta)”, conclui Ferretti.

É preciso aguardar até a próxima sexta-feira (11), quando o evento será encerrado, para ter as respostas para essas questões.

Brasil na COP-21

O governo brasileiro ganhou o “Trófeu Cara de Pau” na COP-21 por ter assumido compromisso já assumido anteriormente: acabar com o desmatamento ilegal no país.

Mesmo o Código Florestal já tendo determinado, por lei, que o desmatamento ilegal deve acabar no Brasil, o governo também se comprometeu a acabar com ele até 2020, em um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Raquel Rosemberg, da Engajamundo, entregou, na tarde dessa segunda-feira (7), na Embaixada brasileira em Paris, o “Troféu Cara de Pau” à ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

Talvez te interesse ler também:

Fonte foto:

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest