Passando a boiada, após visita de Ministro, Ibama suspende fiscalização de garimpo em terra indígena

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Um dia depois do encontro do Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, com garimpeiros que estão na terra indígena da região de Munduruku no Pará, o governo deu ordem para suspender as ações de fiscalização do Ibama no local, segundo informou uma reportagem do G1.

Assim, na quinta-feira, 6, o Ministério da Defesa interrompeu a operação “Verde Brasil 2” de combate a garimpos ilegais na terra indígena de Munduruku, que estava em andamento, sendo liderada por militares e efetivadas pelo Ibama.

Três helicópteros do órgão ambiental que estavam na Base da Força Aérea Brasileira na Serra do Cachimbo foram proibidos de decolar, tratava-se de uma operação do Grupo Especializado de Fiscalização (GEF), considerado a Tropa de Elite do Ibama.

A operação deveria continuar naquela quinta-feira, mas a coordenação de fiscalização do Ibama recebeu um documento do Ministério da Defesa suspendendo todas as ações na região.

Segundo uma outra reportagem, agora do Estadão, o Ministério da Defesa informou na ocasião, que as operações haviam sido “interrompidas para reavaliação”. Porém, na sexta-feira, 7, o governo mudou de ideia e determinou o retorno da operação, alegando que a paralisação ocorreu por causa de um pedido dos próprios indígenas “para permitir avaliação de resultado”.

Os indígenas negam que tenham feito tal pedido e afirmam que essa foi só uma estratégia do governo para permitir que os garimpeiros tivessem tempo hábil para se livrar da fiscalização e punição, retirando o maquinário, produtos e subprodutos utilizados na extração ilegal de minérios na região.

A Polícia Federal também atua na investigação desses garimpeiros e em 2018 foi criada uma operação batizada de ‘Bezerro de Ouro’, para tentar desarticular o grupo criminoso que age em Jacareacanga no Pará, região que abriga a terra indígena de Munduruku.

A polícia acredita que o grupo criminoso que atua com extração ilícita de ouro no sudoeste do Pará, pode ter ramificações em outras regiões. As investigações apontaram que o grupo causou dano ambiental estimado em quase R$ 8 milhões.

As ações do governo mostram-se contrárias ao interesse público e inclusive conflitantes com as operações montadas por outros órgãos de fiscalização e polícia. Se já é difícil combater o crime do garimpo, por todas as suas dificuldade de acesso, localização de pessoas que fogem em meio à mata fechada, além de todo o dinheiro e violência que sustentam essa atividade, se o governo não mostrar o comprometimento necessário, ficará cada vez mais difícil proteger o meio ambiente e os povos que dependem dele diretamente.

Talvez te interesse ler também:

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Juliane Isler, advogada, especialista em Gestão Ambiental, palestrante e atuante na Defesa dos Direitos da Mulher
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest