Liberação de águas radioativas de Fukushima: alarmismo ou perigo real? Vamos ser claros

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

O Japão decidiu: a água usada para resfriar os reatores danificados pelo acidente da usina nuclear de Fukushima vai parar no Oceano Pacífico. Uma escolha que tem gerado um debate mundial sobre os possíveis riscos para o ecossistema marinho e para a saúde humana.

De acordo com Tóquio e vários cientistas, os perigos são praticamente nulos. Países próximos ao Japão, como China e Coréia do Sul, têm uma opinião diferente, assim como pescadores locais e várias associações ambientais, incluindo o Greenpeace. É alarmismo injustificado ou preocupações legítimas?

Vamos tentar lançar alguma luz, esclarecendo também quando e como deve ocorrer o derramamento no mar.

Como e quando ocorrerá o derramamento?

Aproximadamente 1,23 milhão de toneladas de água da usina de Fukushima será despejada no mar. A operação não será realizada imediatamente, mas começará em cerca de dois anos, durante os quais a operadora da usina, a Tokyo Electric Power, continuará lidando com a filtração de água para eliminar isótopos nocivos e construirá a infraestrutura necessária.

A água contaminada por radiação foi filtrada através de um avançado sistema de tratamento de líquidos. No entanto, o trítio, um isótopo radioativo do hidrogênio, não pode ser eliminado. De acordo com o governo japonês e o operador da usina de Fukushima, o trítio não seria perigoso para a saúde humana se presente em baixas concentrações.

“A eliminação da água tratada é uma questão inevitável no contexto do desmantelamento da fábrica de Fukushima Daiichi – disse o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, esclarecendo que o plano será implementado – quando for garantido que as normas de segurança foram aprovadas por um ampla margem e medidas estritas foram tomadas para evitar danos”.

As posições favoráveis ​​ao lançamento de água contaminada

A opinião dos cientistas e a questão do trítio

“A quantidade total de água tritiada presente nas cisternas de Fukushima é de cerca de 20 gramas, diluída em mais de um milhão de metros cúbicos”

Apesar das perplexidades sobre a operação, a maioria dos cientistas (não apenas japoneses) concorda que derramar água é a solução mais sábia e segura. Segundo Nigel Marks, físico especialista em materiais nucleares da Curtin University, graças à diluição da água e ao tratamento imediato a radioatividade cairá abaixo de níveis seguros.

“As perspectivas são péssimas, mas o governo japonês está realmente fazendo a coisa certa, liberando a água tratada da usina de Fukushima no oceano”, explica Marks. “As usinas afetadas ainda precisam ser resfriadas, gerando cada vez mais água contendo hidrogênio radioativo, também conhecido como trítio. Os tanques de armazenamento temporário estão explodindo e a água radioativa precisa ir para algum lugar. Ao diluir a mistura de trítio na água do mar, o nível de radioatividade pode ser reduzido a níveis seguros comparáveis ​​aos associados à radiação de rochas de granito, água perfurada, raios-x, viagens aéreas e alguns tipos de alimentos.”

Posição semelhante é assumida por Brendan Kennedy, professor de química da Universidade de Sydney, segundo o qual não haveria risco para os ecossistemas:

“É essencialmente impossível separar o trítio da água. O descarte no oceano é a única opção viável para o volume do material. Uma vez diluído no oceano, o trítio não representará perigo para a vida marinha”.

As posições contrárias ao lançamento de água contaminada

As preocupações dos pescadores locais e países vizinhos

A notícia do derramamento de água da usina nuclear de Fukushima alarmou os pescadores japoneses, que organizaram uma série de protestos. De 2011 até agora, a retomada das atividades relacionadas à pesca é 20% menor do que o faturamento anterior ao desastre nuclear.

Uma decisão inaceitável e extremamente desagradável”: assim a definiu Hiroshi Kishi, presidente da Federação Nacional das Cooperativas de Pesca, destacando que o anúncio do governo atinge não só os pescadores de Fukushima, mas toda a indústria pesqueira da região.

Países vizinhos, em particular Coréia do Sul e China, também se mobilizaram, pedindo ao governo japonês que reconsidere.

“Tóquio vai liberar a água radioativa após diluí-la a níveis que não são prejudiciais aos humanos. Mas a diluição não mudará a quantidade total de radioatividade ausente”, denunciou uma aliança de 31 grupos cívicos sul-coreanos antinucleares e ambientalistas.

Seul decidiu contestar a decisão do Japão perante o Tribunal Internacional do Direito do Mar em Hamburgo, enquanto hoje o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, lançou uma provocação ao vice-ministro japonês Tarō Asō, convidando-o a beber a água radioativa, já que as autoridades de Tóquio a consideram segura.

A principal preocupação, portanto, é que haja desconfiança por parte dos consumidores na compra de produtos da pesca, com consequências econômicas desastrosas para um setor já em crise.

Associações ambientais

Para fazer ouvir a sua voz contra o derramamento de água contaminada no mar, estão várias associações ambientalistas, em primeiro lugar o Greenpeace, que comentou com estas palavras a escolha feita pelo Japão:

“O governo japonês mais uma vez decepcionou os cidadãos de Fukushima”, disse Kazue Suzuki, da campanha climática e energética do Greenpeace no Japão. “O governo tomou a decisão totalmente injustificada de contaminar deliberadamente o Oceano Pacífico com água radioativa. Ele ignorou os riscos associados à exposição à radiação e a evidência de disponibilidade suficiente de armazenamento de água contaminada no local nuclear e distritos vizinhos. Em vez de usar a melhor tecnologia existente para minimizar os riscos de exposição à radiação, armazenando a água a longo prazo e tratando-a adequadamente para reduzir a contaminação, decidiu-se pela opção mais barata, descarregando a água no Oceano Pacífico.”

Comissão de Energia Nuclear também expressa sua perplexidade sobre o derramamento de água contaminada no mar, segundo a qual é necessário “evitar estritamente o derramamento de trítio no meio ambiente porque permanece material radioativo”.

Os primeiros hoaxes no WhatsApp

Após a notícia do sinal verde para a operação por parte do governo japonês, várias correntes e mensagens apareceram nas redes sociais alertando para não comer peixes dos mares japoneses:

fukushima-whatsapp

Alternativas para o lançamento de água no mar

Existem opções que alguns nos últimos anos consideraram mais seguras do que derramar as águas de Fukushima no mar. Outras soluções possíveis também foram propostas por técnicos japoneses, como vaporizar a água e dispersá-la na atmosfera ou injetá-la no solo. Todas as soluções altamente desaconselháveis ​​para a saúde, já comprometida, do meio ambiente, mas derramar no oceano foi talvez a pior escolha.

A operação que vai começar em dois anos é realmente segura? Diante de uma questão tão delicada, não há necessidade de minimizá-la, assim como é inútil se deixar levar pelo medo e pelo alarmismo. E se realmente tivéssemos que optar por parar de consumir peixes, não deveríamos fazê-lo pela liberação das águas radioativas de Fukushima, mas por muitas outras razões éticas muito válidas.

O que é evidente é que, mais de uma década após o terrível acidente de Fukushima, ainda estamos aqui falando sobre isso. E este é precisamente o verdadeiro problema da energia nuclear: que as consequências (mesmo a longo prazo) são imprevisíveis e muitas vezes, como a história nos ensina, aterrorizantes. Embora os proponentes do átomo discordem de nós nisso.

Os medos, portanto, também podem ser infundados, mas, pelo menos em nossa opinião, completamente legítimos.

Fonte: Greenpeace / Ansa / Scimex / Relatório da Força-Tarefa de Água Tritiada

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest