Os exercícios da Grécia estão colocando baleias e golfinhos do Mediterrâneo em risco

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Ao largo de Creta, no Mediterrâneo, vivem pelo menos vários mamíferos marinhos essenciais para o ecossistema, incluindo orcas, baleias e golfinhos. No entanto, esta área pode em breve ser invadida por brocas. Aqui mesmo, o governo grego autorizou a Total Energies, a ExxonMobil e a ELPE grega a pesquisar campos de gás e petróleo. Um projeto nefasto contra o qual os ambientalistas vêm lutando há algum tempo, em particular o Greenpeace Grécia que no verão passado realizou – junto com o Sea Cytological Research Institute – um estudo na chamada Fossa Helênica, que representa um tesouro cheio de biodiversidade para ser protegido.

Os cientistas pesquisaram cerca de 5.900 quilômetros da área marinha em questão e identificaram várias espécies de cetáceos: baleias-piloto, golfinhos, cachalotes, baleias e esturjões, além das tartarugas Caretta caretta. com o início dos testes sísmicos, a sua existência seria inevitavelmente posta em risco, tanto por ruído e vibrações violentas como por poluição.

Apelo do Greenpeace para parar o plano perigoso

“Total Energies, ExxonMobil e ELPE, com seus projetos planejados, irão expor espécies ameaçadas e ecossistemas críticos a ruídos, níveis insuportáveis, explosões e perfurações em alto mar. E por qual motivo? Continuar a produção e combustão de petróleo e gás, a energia mais suja e cara, em um momento em que devemos abandoná-los com urgência ”, disse Kostis Grimanis, chefe de campanha climática e energética do Greenpeace Grécia.

Vários estudos têm mostrado que tanto o sonar usado por navios de guerra quanto as pesquisas sísmicas para exploração de petróleo são prejudiciais aos animais marinhos, especialmente cetáceos como as baleias.

Recentemente, outra gigante do petróleo, a Shell venceu uma ação que lhe permite lançar um levantamento sísmico na costa da África do Sul, onde a cada dez segundos haverá explosões poderosas em um local de reprodução de baleias. – acrescentou Grimanis – A luta não pára por aí, mas vale mesmo a pena fazer o mesmo no Mediterrâneo? É assim que queremos que nossos mares sejam? Qualquer plano deve ser abandonado imediatamente pela Total Energies (e seus parceiros) antes que o Mediterrâneo se transforme de um paraíso terrestre em um mar morto.

Recentemente, a gigante petrolífera francesa Total Energies (uma das três empresas envolvidas no plano ao largo de Creta) investiu numa campanha para redefinir a sua marca e aparecer como uma empresa verde e responsável. Mas, como você pode imaginar, não é esse o caso. “Publicidade e patrocínio permitem que essas empresas continuem a arruinar o planeta para obter lucro” – relata o Greenpeace – Mas esta é na verdade uma cortina de fumaça que devemos desmontar para ver o que está por trás: uma grande ameaça ao clima e uma séria possibilidade de baleias e golfinhos no Mediterrâneo serão irreparavelmente danificados.

Desde outubro passado, o Greenpeace, em colaboração com várias organizações não governamentais de vários países europeus, tem promovido a Iniciativa de Cidadania Europeia (ICE), pedindo a proibição legal da publicidade e patrocínio de combustíveis fósseis no território da UE .

Fonte: Greenpeace Grécia

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Graduada em mídia, comunicação digital e jornalismo pela Universidade La Sapienza, ela colaborou com Le guide di Repubblica e com alguns jornais sicilianos. Para a revista Sicilia e Donna, ela tratou principalmente de cultura e entrevistas. Sempre apaixonada pelo mundo do bem-estar e da bio, desde 2020 escreve para a GreenMe.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest