Descongelamento do permafrost está prestes a causar estragos no Ártico

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

crise climática que agora galopa fora de controle tem, entre muitas consequências, a de contribuir fortemente para o derretimento das geleiras polares – mesmo aquelas até então consideradas perenes, como o permafrost do Ártico que, com seu derretimento, está liberando na atmosfera enormes quantidades de gás metano altamente poluente. Agora, um estudo dá o alarme: o metano e o dióxido de carbono liberados na atmosfera pelo derretimento do permafrost teriam forte influência na aceleração do aquecimento global e no aumento das temperaturas, fazendo com que os esforços de vários países para limitar o efeito estufa Emissão de gases. Mas não é só isso: a dispersão na atmosfera do metano, um gás altamente inflamável, estaria alimentando incêndios sem precedentes, como os que ocorreram em várias regiões da Rússia neste verão, e isso teria como consequência um aumento ainda maior das emissões poluentes e temperaturas. Resumindo, uma cobra mordendo o próprio rabo: os incêndios fazem com que as temperaturas subam e o permafrost derreta, o que libera gás metano que vai alimentar novos incêndios, em um círculo sem fim.

Por definição, o permafrost é o solo que está em temperaturas abaixo de 0 ° C há mais de dois anos, embora grande parte do permafrost tenha milhares de anos. Abrange um quarto da massa terrestre da região do Ártico e, segundo os pesquisadores, contém o dobro do carbono atualmente presente na atmosfera da Terra e três vezes o CO2 emitido pelas atividades humanas desde o início da era industrial. Infelizmente, os efeitos devastadores do aquecimento global antropogênico são muito piores nas áreas mais frias do planeta do que os que ocorrem em áreas temperadas: estima-se que a temperatura média das regiões polares aumente duas a três vezes mais rápido que o resto. (nos polos, aliás, já há um aumento de 3°C em relação aos níveis pré-industriais).

O estudo agora publicado prevê o desaparecimento de cerca de 4 milhões de quilômetros quadrados de permafrost do Ártico até o final do século, mesmo que as emissões humanas de gases de efeito estufa sejam drasticamente reduzidas (conforme preconizado pelos acordos climáticos de Paris e pela COP26). Além do aumento das temperaturas, há outra séria ameaça à sobrevivência do permafrost: os incêndios descontrolados que já estamos testemunhando. Os pesquisadores prevêem um aumento na frequência de incêndios em até 150% até 2050 – que será alimentado, como dissemos, pela liberação progressiva de gás metano na atmosfera.

Além de ser uma importante fonte de poluição, os incêndios no Ártico previstos pelos cientistas serão uma séria ameaça aos assentamentos humanos localizados nas regiões árticas e suas infraestruturas: o permafrost é atualmente ocupado por centenas de milhares de edifícios, estradas e oleodutos. transporte de gás de campos subterrâneos. Se esse “solo de gelo” derretesse, causaria o enfraquecimento progressivo do solo até o colapso, arrastando consigo edifícios e centros habitados. O país que mais pagaria pelas consequências desse cenário apocalíptico e distópico é a Rússia: várias cidades e plantas industriais do norte do país, de fato, assentam seus alicerces bem no permafrost, e inúmeros prédios já começam a se mostrar as primeiras rachaduras e os primeiros colapsos estruturais.

Fontes: Nature

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Com 25 anos e licenciada em Línguas Estrangeiras. Sempre esteve atenta às questões ambientais e visando um estilo de vida eco-sustentável. No seu pequeno caminho tenta minimizar a pegada ambiental com escolhas responsáveis, respeitando a natureza que a cerca.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest