Nutella: Ferrero deixa de usar óleo de palma da Malásia

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

A Ferrero continua a usar óleo de palma na Nutella e em outros produtos de sua marca, ingrediente chave para dar maciez e boa conservação à conhecida pasta, mas também aos chocolates.

A Ferrero afirma usar apenas óleo de palma sustentável certificado, do qual 85% vem da Malásia.

Recentemente, no entanto, segundo a Reuters, a gigante da confeitaria (que nestes dias está particularmente ocupada com a questão da salmonela que contaminou a fábrica de Arlon, na Bélgica ) decidiu interromper o fornecimento de óleo de palma da plantação de Sime Darby, na Malásia.

A decisão veio depois que os Estados Unidos anunciaram que tinham evidências de que a empresa usava trabalho forçado para produzir o petróleo, que também era exportado para a Itália. Mais sério do que nunca, considerando que a Sime Darby é líder na produção sustentável (!) de óleo de palma (mais prova de que óleo de palma realmente sustentável não existe.)

A investigação da alfândega dos EUA sobre as condições de trabalho no Sudeste Asiático, realizada nos últimos dois anos, levou à proibição dos Estados Unidos de 6 empresas (incluindo a Sime Darby) acusadas de exploração de trabalhadores. Nas plantações da Malásia, 80% são migrantes de países como Indonésia, Índia e Bangladesh.

A Reuters escreve que Ferrero o informou em um e-mail que:

Em 6 de abril, pedimos a todos os nossos fornecedores diretos que parassem de fornecer à Ferrero óleo de palma e óleo de palmiste adquiridos indiretamente da Sime Darby, até novo aviso. A Ferrero respeitará a decisão da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA.

A Ferrero também disse que seus produtos e marcas nos EUA pararam de comprar da Sime Darby em janeiro de 2021. Aliás, a empresa compra relativamente pouco óleo de palma dessa multinacional da Malásia e, em qualquer caso, não se abastece diretamente.

Apesar disso, a escolha, que se junta à das empresas norte-americanas, pesará muito na reputação da Sime Darby, que, não surpreendentemente, viu suas ações caírem 4% na última sexta-feira.

No entanto, a empresa já respondeu à Reuters alegando que adotou medidas de respeito pelos direitos humanos e prometendo “mudanças radicais”, sublinhando ainda que a Ferrero não é cliente (como já referido, aliás, a multinacional italiana estava a comprar indiretamente).

Como você deve ter notado, volta-se a falar de óleo de palma com cada vez mais frequência, pois, com a falta de matéria-prima devido ao conflito em curso, as empresas se veem obrigadas a substituir o óleo de girassol em seus produtos e a escolha pode ir para o óleo de palma e palmiste.

Também nos dias de hoje é a descoberta de óleo de palma contaminado com carcinogênico Sudan IV em Gana.

 

Fonte:Reuters

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest