Em um ano Brasil desmatou na Mata Atlântica o equivalente a 20 mil campos de futebol

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

O aumento do desmatamento é 66% maior que o registrado entre 2019 e 2020 (13.053 hectares), e 90% maior que entre 2017 e 2018 (11.399 hectares), o menor índice desde o início da medição, em 1989.

O Atlas da Mata Atlântica foi realizado em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). No local desmatado, caberiam 20 mil campos de futebol. É como se 59 hectares fossem destruídos por dia – ou 2,5 hectares por hora.

“É um problema que afeta todo o país e impacta diretamente a sociedade, pois 70% da população e 80% da economia brasileira se concentram na região. Se as derrubadas persistirem, vai faltar água, vai faltar alimento, vai faltar energia elétrica”

diz Luis Fernando Guedes Pinto, diretor de Conhecimento da SOS Mata Atlântica e coordenador do Atlas.

“É uma ameaça à vida, um desastre não só para o Brasil como para o mundo, pois importantes referências internacionais apontam a Mata Atlântica como um dos biomas que precisam ser restaurados com mais urgência para atingirmos a meta de redução de 1,5°C de aquecimento global estabelecida no Acordo de Paris. Mas estamos percorrendo o caminho oposto, em direção a sua destruição”, completa.

O Atlas não investiga a legalidade do desmatamento, mas segundo Guedes Pinto, aponta para uma devastação do bioma, que vem cedendo espaço para pastagens e culturas agrícolas, além da expansão urbana e da especulação imobiliária.

“A verificação da confirmação da ilegalidade é comprometida pela pouca transparência e pequena disponibilidade de dados dos governos estaduais a respeito das autorizações de desmatamento. A disponibilização desses dados é fundamental para que se possa avançar para o desmatamento zero na Mata Atlântica com a velocidade necessária para contribuirmos para a urgência da emergência climática e garantirmos a provisão dos serviços ecossistêmicos”, diz.

Todas as informações do Atlas são encaminhadas às autoridades públicas para que medidas de fiscalização e punição sejam providenciadas.

Em números gerais, apenas Ceará e Santa Catarina apresentaram redução no desmatamento. Cinco estados acumulam 89% de todo o desflorestamento: Minas Gerais, Bahia, Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina.

Em Minas, a variação entre as duas últimas medições foi de 96% – de 38 em 2019-2020 para 255. Em nota, o governo afirmou que o monitoramento feito pelo órgão estadual, o Instituto Estadual de Florestas (IEF), difere da adotada pelo SOS Mata Atlântica, e que não foram consideradas “áreas restauradas”. Ainda em nota, o estado afirma que possui a maior área remanescente de Mata Atlântica no país, com 12,8 milhões de hectares.

Em São Paulo, Rio de Janeiro, Sergipe e Pernambuco, a série histórica de diminuição do desflorestamento foi interrompida por registros de alta.

Guedes Pinto afirma que a perda de vegetação mantém o bioma em um alto nível de ameaça e risco. “É uma ameaça à vida, um desastre não só para o Brasil como para o mundo, pois importantes referências internacionais apontam a Mata Atlântica como um dos biomas que precisam ser restaurados com mais urgência para atingirmos a meta de redução de 1,5°C de aquecimento global estabelecida no Acordo de Paris. Mas estamos percorrendo o caminho oposto, em direção a sua destruição.”

Fonte: Ig

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest