Sobrepesca, microplásticos até nos olhos dos peixes e aquecimento das águas: estamos sufocando os oceanos e mares

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Por uma razão muito simples: o mar, ou melhor, “mar mãe”, é o líquido amniótico do nosso planeta, aquele que permitiu o nascimento da vida. Nas brumas do tempo, a energia do sol e o ventre do mar possibilitaram o nascimento da primeira célula que depois se multiplicou. Sem este maravilhoso organismo, que cobre mais de 71% do planeta, não poderíamos viver se não estivesse em boa saúde. O nosso futuro depende da saúde do mar e a saúde do mar depende de nós.

É tudo muito poético o que diz, Presidente, mas a sensibilidade comum sobre a saúde do mar e dos oceanos está reduzida ao osso. Quais são os principais problemas relacionados ao mar?

Enquanto falamos, há pessoas que tiram a vida do mar. Há uma sobrepesca em todos os lugares e ao mesmo tempo todo o lixo da nossa sociedade acaba ali, sob aquele “tapete azul” onde as pessoas acreditam que as coisas desaparecem. Mas vimos nos últimos tempos que microplásticos foram encontrados nos tecidos da placenta das mulheres, no sangue e no leite materno. Os biólogos marinhos também encontraram transformação do ciclo de vida em animais, mudança de sexo e infertilidade em seus estudos. Outra consequência terrível foi a descoberta de nanoplásticos nos olhos dos peixes, que causa cegueira. E se também acontecer com os homens?

E vou contar mais: as temperaturas dos mares italianos estão subindo muito rápido e isso não é uma boa notícia para a biodiversidade. De fato, o Mar Mediterrâneo, pelas suas características de bacia semifechada, está mais sujeito ao aquecimento da água. Desde a década de 1980 até hoje, as temperaturas da superfície do mar aumentaram cerca de 1°C na Área Marinha Protegida Plemmirio, por exemplo, e 1,7-1,8°C na Área Marinha Protegida de Portofino. houve um agravamento do fenômeno nos últimos quarenta anos.

Devemos correr para se proteger e, portanto, o dia 8 de junho deve ser um estímulo para fazer homens e mulheres entenderem que não podemos tratar o mar assim.

Será que vai ajudar? Na COP26 de novembro passado, o mar, por exemplo, foi o grande ausente. Como podemos pensar em resolver uma crise climática sem considerar o mar?

Lutar para entender que o mar é essencial para a vida na Terra por produzir mais de 50% do oxigênio que respiramos, capturando um terço do dióxido de carbono que produzimos e representando o grande regulador do clima. 98% do território habitado pela vida está hospedado em suas águas. O que aconteceu na COP26 é dramático, protestamos muito. E devo dizer com o coração aberto que depois de 40 anos digo a mim mesmo que não é possível como, por exemplo, na Itália, levamos 4 anos para chegar a Salvamare …

Nós conversamos sobre isso, mas uma coisa interessante sobre Salvamare que diz respeito ao passado de Marevivo de perto são os recursos alocados para colocar barreiras na foz dos rios e estamos falando sobre isso há cerca de 30 anos …

Basta pensar que em 1988 a Marevivo instalou uma barragem no rio Sarno, recolhendo 1200 toneladas de resíduos em apenas 3 meses. Demorou 34 anos para chegar a uma lei fundamental para combater o lixo marinho…

Como você explica isso?

Eu não explico, isso é tudo. Quando falo com os parlamentares, com as pessoas, com os jornalistas, todos concordamos… então entre dizer e fazer… Certamente há uma maior conscientização, mas há muitas ferramentas a serem colocadas em prática para realmente colocar a mudança. E não é só isso: a transição ecológica envolve uma transição alimentar e muito pouco se fala sobre isso. Por exemplo, hoje no Museu de História Natural de Veneza, onde é inaugurada a exposição O Mar Vivo, vamos lançar uma forte mensagem sobre a defesa da biodiversidade marinha e a transição alimentar, porque não podemos continuar a alimentar-nos de animais retirados do mar ou de cultivo intensivo. Todos nós temos que fazer a transição, cada um à sua pequena maneira, e seria necessária uma grande revolução juvenil. E de mulheres.

De mulheres?

Claro que neste momento histórico o papel da mulher é muito importante. A mulher não tem consciência do grande poder que tem, porque é ela quem dá à luz o filho, o cria, o amamenta, o alimenta, o veste e, portanto, é ela quem escolhe. Nisso, convenhamos, as mulheres fazem mais escolhas do que os homens… E se a mulher escolhe de uma certa forma, o mercado também pode mudar. As mulheres têm mais instinto para a conservação das espécies.

Uma coisa concreta a fazer hoje para celebrar o Dia dos Oceanos.

Bem, vamos passar um dia sem comer peixe, vamos deixar para o mar, não vamos desperdiçá-lo, vamos nos recuperar e nos tornar mais conscientes do que temos ao nosso redor. E acima de tudo, tenhamos em mente um fato: meu sonho é fechar o Marevivo, porque isso significaria que recuperamos tudo.

E gostaria de citar uma frase de Erri De Luca que sempre tive em minha mesa.

Qual deles, presidente?

“A imensidão do mar é a irmã mais velha do ventre”.

Maravilhoso. Temos o mar dentro.

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Jornalista freelance, nascida em 1977, formada com honras em Ciência Política, possui mestrado em Responsabilidade Corporativa e Ética e também em Edição e Revisão.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest