Nossos oceanos estão ficando mais quentes e mais doentes: a ONU declara a emergência oceânica

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Da elevação dos mares à acidificação dos oceanos passando pela poluição plástica, nosso planeta deve (também) enfrentar uma “emergência oceânica”. É o que emerge imediatamente, no primeiro dia da Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano.

A  conferência, que este ano tem como lema “ conservar e utilizar os oceanos, mares e recursos marinhos de forma sustentável ” e que se realiza em Lisboa até sexta-feira, 1 de julho, é um encontro internacional organizado pelos governos do Quénia e de Portugal. com o objetivo de desenvolver formas de usar a ciência e a inovação para proteger os oceanos do mundo.

O oceano nos conecta a todos, mas como não damos valor ao oceano, hoje enfrentamos uma “emergência oceânica” e a maré deve ser revertida. Nossa incapacidade de cuidar do oceano terá efeitos em cascata em toda a Agenda 2030, então o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, enfatizou o quão urgente é abordar a emergência oceânica para reverter o curso.

Já no Fórum da Juventude e Inovação em Carcavelos, Guterres tinha pedido publicamente desculpas em nome da sua geração pelo estado em que deixaram os mares aos jovens e pelo problema do clima. Uma inação, de fato, que coloca seriamente em risco a nossa saúde e a do meio ambiente.

Na primeira Conferência do Oceano da ONU, há 5 anos, em Nova York, os delegados pediram para reverter o declínio na saúde dos oceanos e, de acordo com Guterres:

Desde então, alguns avanços foram feitos, com a negociação de novos tratados para enfrentar a crise global de resíduos plásticos que asfixia os oceanos e os avanços da ciência, em consonância com a Década das Nações Unidas da Ciência do Oceano para o Desenvolvimento Sustentável (2021-2030 ). . Mas não tenhamos ilusões. Muito mais precisa ser feito por todos nós juntos.

O que fazer para salvar os oceanos?

O chefe da ONU descreve 4 recomendações principais:

Invista em economias oceânicas sustentáveis ​​para alimentos, energia renovável e meios de subsistência, com financiamento de longo prazo.

A gestão sustentável dos oceanos pode ajudar o oceano a produzir até 6 vezes mais alimentos e gerar 40 vezes mais energia renovável do que atualmente, disse o secretário-geral da ONU.

Replicar o sucesso do oceano

O oceano deve se tornar um modelo de como podemos gerenciar os bens comuns globais para nosso bem maior e isso significa prevenir e reduzir a poluição marinha de todos os tipos, tanto terrestres quanto marítimos. Isso envolveria a intensificação de medidas de conservação eficazes baseadas em áreas marinhas protegidas e gestão integrada da zona costeira.

Proteger as pessoas

Guterres pede maior proteção dos oceanos e das pessoas cujas vidas e meios de subsistência dependem deles, abordando as mudanças climáticas e investindo em infraestrutura costeira.

O transporte marítimo deve se comprometer com emissões líquidas zero até 2050 e apresentar planos confiáveis ​​para implementar esses compromissos. E devemos investir mais na restauração e conservação de ecossistemas costeiros, como manguezais, pântanos e recifes de corais.

Guterres convidou então todos os estados membros da ONU a participar do “ sistema de alerta precoce ”, uma iniciativa lançada recentemente para atingir a meta de cobertura total do sistema de alerta precoce nos próximos 5 anos.

Mais ciência e inovação

O que servirá para nos impulsionar para um novo capítulo na ação global dos oceanos.

Convido todos a aderirem à meta de mapear 80% do fundo do mar até 2030 – conclui Guterres. Encorajo o setor privado a participar de parcerias que apoiem a pesquisa oceânica e a gestão sustentável. E exorto os governos a aumentarem o seu nível de ambição para a recuperação da saúde dos oceanos».

 

Fonte: Conferência dos Oceanos da ONU

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest