Desastre nuclear de Fukushima, a empresa japonesa Tepco foi condenada a uma indenização máxima

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

11 anos após o desastre nuclear de Fukushima, o tribunal de Tóquio emitiu uma sentença histórica. Quatro executivos da empresa Tokyo Electrict Power (Tepco), a empresa que administra a usina japonesa danificada, terão que pagar uma mega indenização à mesma empresa, conforme solicitado pelos acionistas após as enormes perdas sofridas pelos danos e custos de desmantelamento da plantar.

Além disso, a empresa foi obrigada a reembolsar os moradores locais que fugiram de suas casas como resultado da alta radiação.

O valor recorde que os gerentes terão que pagar é de 13.000 bilhões de ienes, o que equivale a cerca de 95 bilhões de euros. De fato, o tribunal considerou a Tepco culpada por não ter evitado o desastre.

A ação contra os executivos da empresa foi movida em 2012 por 48 acionistas, que os acusaram dos prejuízos colossais sofridos como resultado de sua negligência. Segundo estes, os executivos do grupo Tepco poderiam ter feito muito mais para proteger a usina do tsunami esperado após o forte terremoto, implementando todas as medidas necessárias.

Por sua vez, os perpetradores tentaram se defender argumentando que não podiam prever os danos de um tsunami tão catastrófico e que não tinham tempo para tomar medidas preventivas. Mas no final, os executivos da empresa foram derrotados, pois o juiz de Tóquio lhes impôs o pagamento de uma maxi compensação.

Fonte: NHK 

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Graduada em mídia, comunicação digital e jornalismo pela Universidade La Sapienza, ela colaborou com Le guide di Repubblica e com alguns jornais sicilianos. Para a revista Sicilia e Donna, ela tratou principalmente de cultura e entrevistas. Sempre apaixonada pelo mundo do bem-estar e da bio, desde 2020 escreve para a GreenMe.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest