Chega de massacre: Brasil suspende abate de jumentos para exportação à China

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região determinou que o Brasil não fará mais abate de jumentos com o intuito de exportá-los para a China. Agora, espera-se que os casos de maus-tratos ao animal diminuam muito em nosso país.

“Eu acho que a novidade de se transformar o abate desses animais em atividade econômica já coloca em xeque o argumento de que essa decisão pode impactar uma economia que teria surgido e que favorecia a região em tempo de crise a partir dessa atividade”, disse o desembargador Marcos Augusto de Souza, alucidando que a decisão não deve causar prejuízo aos frigoríficos..

O Brasil vinha exportando couro de jumentos para a China desde 2016 para a produção de um medicamento experimental chamado ejiao, muito popular no país asiático. Apesar de não ter comprovação de eficácia, ele é utilizado no país asiático para tratar diversos problemas de saúde, como menstruação irregular, anemia, insônia e até impotência sexual.

Um dos fatores que acenderam o alerta para a proteção do jumentos é que eles são retirados da caatinga em grande quantidade e não há uma preocupação de renovar o rebanho, como acontece com o gado. Em resumo, começou a haver uma grande probablidade de que a população de jegues fosse eliminada nos próximos anos, já que eleseram abatidos muito mais rapidamente do que poderiam reproduzir.

Em defesa dos animais

Essa decisão do TRF-1 é mais um passo importante de uma ação que corre desde 2018. Na época, entidades de defesa do direito dos animais entraram com um processo solicitando a proibição. Em um primeiro momento, a Justiça da Bahia concedeu uma liminar proibindo os abates no Estado.

No entanto, em 2019 a medida foi suspensa, com a justificativa de que a proibição do mercado prejudicava a economia do município e da Bahia, mas essa semana os desembargadores do TRF-1 derrubaram a medida, alegando que não há provas dos supostos prejuízos econômicos.

“Não se demonstrou (no argumento) a existência de uma grave lesão à economia pública”, afirmou o desembargador Carlos Eduardo Moreira Alves, que votou pela nova suspensão.

Já o desembargador Carlos Augusto Pires Brandão, que também votou pela suspensão, citou a importância cultural do jumento para o Nordeste brasileiro.

“Há músicas e poemas sobre o jumento. Há uma música do Luiz Gonzaga (Apologia ao Jumento) que fala que o animal é nosso irmão, que relata essa proximidade do jumento como um animal de estimação. Imagina se a gente começa a exportar carne de cachorro e de gato para outras culturas que não têm essa proximidade com o animal”, disse.

Estamos falando dos jumentos, um símbolo do nosso país, da nossa cultura e um animal adorável, que não pode entrar em extinção. Além disso, estamos em 2022. A cultura sacrificar animais em pró de remédios têm que acabar. Não precisamos mais disso.

A suspensão do abate vale para todo território nacional, mas ainda cabe recurso.

 

Fonte: sonoticiaboa

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest