Pela primeira vez é registrada a comunicação entre duas espécies diferentes: um golfinho e uma toninha

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Na enseada escocesa de Firth of Clyde, um golfinho solitário chamado Kylie fez amizade com um grupo de botos, interagindo com essas outras criaturas marinhas em uma linguagem própria que foi registrada pela primeira vez por um da Universidade de Strathclyde, Mel Cosentino, que com a ajuda de outros cientistas e voluntários estudaram a interação acústica entre duas espécies diferentes e distantes entre si: o Delphinus delphis e o Phocoena phocoena.

No estudo publicado na revista Bioacoustics,  os pesquisadores analisaram uma série de gravações feitas entre junho de 2016 e setembro de 2017 e observaram como o golfinho se relacionava com os botos, adaptando seu comportamento comunicativo ao desses cetáceos oceânicos e preferindo sons que pertencem mais para esta última espécie do que para um golfinho.

Na realidade, os golfinhos se comunicam por meio de assobios, enquanto os botos por meio de cliques. Os pesquisadores classificaram os cliques registrados por ambas as espécies com base na forma de onda, potência do espectro, espectrograma, direção de chegada e intervalo entre os cliques.

Os microfones subaquáticos colocados pelos pesquisadores ao longo do porto da costa escocesa demonstraram não apenas a quase total ausência de assobios, mas um grande número de cliques produzidos por Kylie para poder se comunicar com seus novos amigos, mais parecidos com os deles do que com os dela.

A capacidade de aprendizagem vocal tem sido observada principalmente em espécimes de cativeiro e são poucos os casos envolvendo cetáceos selvagens. Esta seria a primeira vez que um golfinho comum, em cativeiro ou em estado selvagem, demonstra que pode comunicar, tendo aprendido a produzir sons, imitando outra espécie”

disse Mel Cosentino.

Especialistas especulam que o animal agora se considera mais uma toninha do que um golfinho, sentindo-se parte do grupo. Na verdade, Kylie era um golfinho que vagou sozinho em águas escocesas e encontrou uma nova família nos botos. E a “linguagem” que Kylie aprendeu parece confirmar essa tese, o que quer que eles tenham dito.

Fonte: Bioacústica

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest