A caça ilegal de tartarugas marinhas não para: os números em um novo relatório

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Mais de um milhão de tartarugas marinhas foram mortas apenas nos últimos trinta anos – embora existam leis específicas para proteger esses animais. É o que emerge dos dados coletados em um novo estudo publicado recentemente por pesquisadores da Arizona State University .

Estima-se que, só na última década em estudo (2011-2021), cerca de 44.000 tartarugas marinhas tenham sido mortas ilegalmente em 65 países todos os anos: são números que fazem arrepiar e que mais uma vez demonstram a incivilidade da humanidade. frente da Natureza.

As tartarugas marinhas são cada vez mais procuradas no mercado, nos mais diversos setores: a carne destes animais é cozinhada e comida como iguaria; seu exoesqueleto é triturado e usado como ingrediente na preparação de remédios, ou usado para obter artefatos e joias muito caros. Em suma, um negócio de mil dólares gira em torno de cada animal morto.

Os números do estudo, certamente muito altos, não dão conta da real gravidade do problema: segundo os autores da pesquisa, na verdade, trata-se de uma estimativa descendente, já que é praticamente impossível avaliar a extensão desse tipo de atividade ilegal.

Para tentar definir os contornos desse fenômeno, os pesquisadores compararam mais de duzentos artigos científicos e estudos sobre o assunto – incluindo relatórios de organizações de conservação da vida selvagem e pesquisas independentes, e depois compararam esses dados com informações sobre as tartarugas à venda. mercado negro.

O Sudeste Asiático e Madagascar parecem ser centros nervosos para a caça de tartarugas marinhas. O Vietnã, por outro lado, é o maior “mercado primário” para esses animais e seus subprodutos, enquanto a China e o Japão são os principais intermediários com o Ocidente.

Os países em desenvolvimento parecem não ter a intenção de parar a caça às tartarugas, abrindo mão de uma suculenta fonte de renda. Por outro lado, os países ricos não mencionam a interrupção da demanda por esses animais para satisfazer seus desejos.

Uma nota positiva que pode ser lida neste novo relatório diz respeito à redução da extensão do fenômeno nos últimos anos: segundo os pesquisadores, a exploração ilegal de tartarugas marinhas diminuiu 28% nos últimos 10 anos – provavelmente graças a medidas mais rigorosas controles.

Fonte: Biologia da Mudança Global

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Com 25 anos e licenciada em Línguas Estrangeiras. Sempre esteve atenta às questões ambientais e visando um estilo de vida eco-sustentável. No seu pequeno caminho tenta minimizar a pegada ambiental com escolhas responsáveis, respeitando a natureza que a cerca.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest