Descoberta uma lagartixa do deserto que brilha no escuro

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Ela brilha ao luar. Uma nova descoberta está fascinando cientistas da Universidade Ludwig-Maximilians que identificaram uma lagartixa biofluorescente, capaz de colorir sua pele de verde neon.

A “lagartixa-aranha” (Pachydactylus rangei) que vive no deserto da Namíbia tem esta característica particular: sob uma fonte de luz ultravioleta, parte de sua pele torna-se fluorescente, especialmente ao lado e ao redor dos olhos. Isso foi descoberto por cientistas da universidade alemã em colaboração com colegas da Coleção Estadual de Zoologia da Baviera e da Hochschule München.

A biofluorescência é conhecida em muitos organismos aquáticos, mas recentemente tem sido cada vez mais vista em vertebrados terrestres, como o ornitorrincoo demônio da Tasmânia e o wombat. Até o momento, dois mecanismos de fluorescência pertencentes a répteis e anfíbios foram descritos: fluorescência óssea (todos os ossos são naturalmente fluorescentes sob luz ultravioleta) e fluorescência de uma substância química secretada e circulada no fluido linfático. Mas os pesquisadores descobriram agora um novo mecanismo de fluorescência em um vertebrado terrestre.

Também conhecida como lagartixa de pernas de pano do Namibe, ou lagartixa da areia do Namibe, vive em leitos de rios secos e dunas do deserto. Tem cerca de 10-15 centímetros de comprimento e usa seus grandes pés palmados para cavar na areia fina. Tem pele translúcida com grandes manchas amareladas nas laterais e anéis ao redor dos olhos. O que não sabíamos até agora é que brilha incrivelmente quando absorve a luz azul da lua.

“Assim que vimos essa fluorescência, percebemos que as lagartixas teia-de-aranha tinham que usar um novo mecanismo: os padrões brilhantes de fluorescência verde neon eram claramente produzidos na pele dos lagartos”, explica David Prötzel, primeiro autor do estudo.

O estudo histológico dessa lagartixa revelou que as áreas fluorescentes da pele são ricas em células pigmentares especiais, os iridóforos, que estão ausentes nas áreas não fluorescentes da pele. Os iridóforos refletem a luz e desempenham um papel importante na coloração de lagartixas e outros lagartos. O mérito do estudo é ter percebido pela primeira vez que alguns iridóforos também podem ter fluorescência.

“Este efeito é muito mais forte do que a fluorescência óssea que descobrimos em camaleões há três anos e um dos casos mais brilhantes de fluorescência já vistos em vertebrados terrestres”, acrescentou Frank Glaw, curador de Répteis e Anfíbios da Coleção Estadual da Baviera de zoologia.

A lua é a única fonte de luz durante as viagens noturnas de caça dessas lagartixas nos desertos da Namíbia. O componente azul do luar é absorvido pela pele e emitido na forma de luz neon verde brilhante.

Os cientistas agora estão tentando entender por que tantos animais ficam fluorescentes sob luz azul ou ultravioleta, um mecanismo ainda pouco compreendido:

“Em muitos vertebrados, a fluorescência parece ser mera coincidência. No caso da lagartixa teia-de-aranha, no entanto, o brilho da fluorescência e sua colocação no corpo sugerem fortemente que é um sinal visível para outras lagartixas, talvez até mesmo a distâncias substanciais no deserto”, explica Mark Scherz, biólogo evolucionista da Universidade de Potsdam.

A natureza nunca deixará de nos surpreender!

Fontes d:  Universidade de Munique Ludwig Maximilians , Nature

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest