Lixo eletrônico: estudo recicla CDs para produzir biossensores de baixo custo

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Um grupo de pesquisadores da Binghamton University em Nova York encontrou um método para reciclar CDs de forma eficiente, econômica e acima de tudo útil.

Inspirada pela necessidade de encontrar soluções sustentáveis ​​para o problema do lixo eletrônico , a equipe desenvolveu um sistema para transformar CDs em biossensores para uso na área médica.

O lixo eletrônico ou REEE é, na verdade, uma mina de ouro e outros metais preciosos que muitas vezes não são recuperados e, consequentemente, acabam sendo desperdiçados.

Os pesquisadores, então, tentaram extrair a fina camada metálica dos CDs, separando-a do plástico. Depois disso, eles usaram um cortador mecânico, artesanal e barato para fazer os dispositivos eletrônicos.

Os pesquisadores estudaram as propriedades do metal recuperado para produzir biossensores vestíveis, verificando que era inerte, compatível com células humanas e capaz de fazer medições.

Na verdade, os biossensores são usados ​​para monitorar o coração e outros músculos, detectar os níveis sanguíneos de oxigênio, açúcar e lactato, medir o pH do sangue e a temperatura corporal e, em seguida, comunicar os dados a um smartphone usando Bluetooth.

Além de conseguir produzir sensores eficientes, os pesquisadores conseguiram otimizar sua fabricação tanto em termos de tempo quanto de custos: o ciclo de produção leva cerca de meia hora a um custo de cerca de um dólar e meio por biossensor.

Trata-se, portanto, de um método que, além de permitir a reciclagem de materiais eletrônicos que se tornariam resíduos de difícil descarte, não exige habilidades especiais e não apresenta custos elevados.

CDs folheados a ouro foram usados ​​na pesquisa, mas o método também será testado nos CDs folheados a prata mais comuns. O objetivo não é apenas reciclar CDs, mas também tornar os biossensores acessíveis ao maior número possível de pessoas.

Fonte de referência: Nature Communication

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Graduada em Ciências e Tecnologias Herbárias, editora web desde 2013, ela publicou "Sabonetes e cosméticos DIY", "O sábio do trabalhador manual" e "A cebola do trabalhador manual" para as edições Age of Aquarium.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest