“Somos unidos e livres”: Austrália muda o hino para reconhecer a história dos povos indígenas

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

A segunda linha do hino da Advance Australia Fair, “somos jovens e livres”, foi substituída por “somos unidos e livres”.

No último dia de 2020, o governo australiano mudou uma palavra do hino nacional na tentativa de incluir e reconhecer a cultura e a história dos aborígines no país. Assim, a segunda frase da Advance Australia Fair, “somos jovens e livres”, foi substituída por “somos unidos e livres”.

“Embora a Austrália seja uma nação jovem, sua história remonta a milhares de anos. Uma mudança sutil, mas que realmente acrescenta significado ao texto”, escreveu o primeiro-ministro australiano Scott Morrison.

Durante anos, o texto do hino nacional australiano Advance Australia Fair, interpretado como tal em 1984, foi frequentemente criticado por não representar ou incluir os povos indígenas australianos, em vez de celebrar o período colonial do país. Não é por acaso que os jogadores do time Indígena All Star da última temporada da Australian Rugby League Commission (ARLC) decidiram não cantá-lo porque “as palavras do hino não representavam nem eles nem suas famílias”.

No mês passado, antes da partida contra a Argentina, a seleção australiana de rúgbi, os Wallabies, se tornou a primeira equipe esportiva a cantar o hino na língua indígena. Embora o gesto tivesse a intenção de ser inclusivo, alguns jogadores como Latrell Mitchell criticaram a versão, sugerindo que mudar o idioma não significa mudar o significado.

 “Tudo sobre nós, sem nós”

Embora o ministro indígena australiano Ken Wyatt tenha dito que a mudança de uma palavra foi pequena, mas significativa por natureza, para algumas organizações e para os aborígenes australianos isso não é suficiente. A professora de direito da University of New South Wales, Megan Davis, uma mulher aborígene Cobble Cobble do estado de Queensland, criticou a falta de consulta aos povos indígenas sobre essa mudança.

“Esta é uma forma decepcionante de terminar 2020 e começar 2021. Tudo sobre nós, sem nós”, disse a professora Davis.

Embora este seja um reconhecimento da história das culturas aborígines e insulares do Estreito de Torres, que remonta a 65.000 anos, ainda há muito trabalho a ser feito para alcançar a igualdade para os aborígenes australianos. Ainda hoje, a constituição australiana, que data de 1901, não os menciona ou reconhece como os primeiros habitantes do país, fato ainda marcante que ainda ultraja esta minoria que representa 3,3% dos 25 milhões de habitantes que o país oceânico possui.

Fonte: Departamento do Primeiro Ministro da Austrália

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest