Planetas Hycean: os planetas onde pode haver vida

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Pesquisadores do Instituto de Astronomia da Universidade de Cambridge descobriram alguns novos planetas, chamados de planetas Hycean, onde pode haver vida.

De acordo com um estudo recente publicado no The Astrophysical Journal, os planetas Hycean podem ser 2,6 vezes maiores que a nossa Terra, até dez vezes a massa da Terra, e temperaturas atmosféricas que podem chegar a 200 ° C.

Seu nome deriva de “hidrogênio” e “oceano”, pois sua superfície é coberta por oceanos e a atmosfera é rica em hidrogênio. Desde a identificação do primeiro exoplaneta há quase trinta anos, milhares de outros planetas foram descobertos fora do nosso sistema solar. Para entender se pode haver vida em tais planetas, os pesquisadores geralmente analisam suas características comparando-as com as da Terra, assumindo que as formas de vida são mais prováveis ​​de serem encontradas em planetas com tamanho, massa, temperatura e composição atmosférica semelhantes aos da Terra.

Neste caso, as características dos novos planetas são muito diferentes das da Terra, mas isso não exclui a possibilidade de que sejam habitados por formas de vida. Segundo os pesquisadores, de fato, as características do planeta Hycean podem ser favoráveis ​​à vida, pelo menos à vida de microrganismos aquáticos aptos a sobreviver em condições extremas, também presentes na Terra.

Levará dois ou três anos para confirmar qualquer forma de vida, mas Nikku Madhusudan, principal autor do estudo, está otimista. O pesquisador argumenta que pode haver vida microbiana e destaca que a vida na Terra começou da mesma forma.

“Se a existência desses planetas Hyceans fosse confirmada, nos encontraríamos diante dos mais promissores objetos celestes para a busca de formas de vida. Este estudo nos lembra mais uma vez que precisamos ampliar nossos horizontes e não apenas procurar planetas semelhantes aos que vemos em nosso Sistema Solar. A vida também poderia se esconder em corpos celestes muito diferentes que não tínhamos considerado até agora e, neste caso, nem seria tão difícil de encontrar ”- comentou Raffaele Gratton, astrônomo do Observatório de Pádua do Instituto Nacional de Astrofísica.

Fontes: The Astrophysical Journal / University of Cambridge / ANSA

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest