As primeiras imagens capturadas pelo telescópio Webb nos oferecem uma visão completamente nova do cosmos

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Se você ficou maravilhado ao observar a primeira imagem do telescópio James Webb , divulgada hoje à noite pela NASA, saiba que isso foi apenas o gostinho. Após a pré-visualização desta noite, que mostrou o aglomerado galáctico SMACS 0723 – a cerca de quatro mil milhões de anos-luz do nosso planeta – surge uma série de imagens a cores que nos levam a uma viagem sem precedentes ao nosso Universo, através dos “olhos” do telescópio mais sofisticado alguma vez concebido .

Essas guloseimas, altamente esperadas por entusiastas da astronomia de todo o mundo, acabaram de ser reveladas em transmissão ao vivo pela NASA e pela ESA e já estão saltando em jornais e plataformas sociais. E são mais encantadores que os outros. Vamos descobrir um por um, começando com o apresentado esta noite pelo presidente dos EUA, Joe Biden.

A imagem mais nítida e profunda do universo primitivo

universo-telescópio

@NASA

A primeira imagem maravilhosa mostra o aglomerado de galáxias SMACS 0723, a cerca de quatro bilhões de anos-luz do nosso planeta, cuja massa desvia e amplifica a luz de galáxias ainda mais distantes, assim como uma lupa faz. Pela primeira vez, graças ao telescópio James Webb, até objetos muito fracos foram observados.

O espectro da atmosfera do exoplaneta Wasp-96b

@NASA

A segunda a ser revelada é a imagem em que é visível o espectro da atmosfera de um exoplaneta: estamos falando da Wasp-96b . O corpo celeste, descoberto em 2014, é composto principalmente de gás, está localizado a cerca de 1150 anos-luz da Terra e orbita sua estrela a cada 3,4 dias. A temperatura deste gigante gasoso é maior do que a de qualquer outro planeta do nosso sistema solar!

Nebulosa do Anel Sul

@NASA

As que representam a Nebulosa do Anel Sul (também conhecida pela sigla Ngc 3132 e com o nome Eight-Burst) são pura maravilha para os olhos: as imagens infravermelhas, que mostram a nebulosa planetária (ou seja, uma nuvem de gás em expansão ao redor de uma estrela moribunda) , são tão detalhados que tiram o fôlego.

O Eight-Burst tem um diâmetro de cerca de meio ano-luz e está a cerca de 2.000 anos-luz de distância do nosso planeta. A estrela mais fraca visível no centro desta imagem emite anéis de gás e poeira há milhares de anos em todas as direções, e pela primeira vez o Telescópio Espacial Webb revelou que a estrela moribunda está envolta em poeira.

Quinteto de Stephan

@NASA

Absolutamente fascinante também é a imagem que revela o Quinteto de Stephan , o grupo visual de cinco galáxias localizadas na direção da constelação de Pégaso, sob uma nova luz. Este “mosaico” representa um trabalho excepcional: é composto por 150 milhões de pixels e é o resultado de quase 1.000 arquivos de imagens diferentes.

Esta é a maior imagem – que cobre uma área do céu igual a cerca de 1/5 do diâmetro da Lua (vista da Terra) – feita pelo poderoso telescópio Webb. Graças à sua resolução extremamente alta, podemos admirar detalhes nunca antes vistos neste grupo de galáxias: aglomerados brilhantes de milhões de estrelas jovens e regiões estelares de nascimentos de novas estrelas tornam a imagem uma obra-prima literalmente galáctica.

O nascimento das estrelas na Nebulosa Carena

@NASA

E por último mas não menos importante… uma imagem que quase parece uma pintura de uma paisagem, com montanhas com picos sugestivos. A última joia divulgada pela NASA mostra o nascimento de estrelas dentro da Nebulosa Carena , uma das maiores e mais brilhantes do firmamento, localizada no coração da Via Láctea.

É uma verdadeira “fábrica” ​​de estrelas, que fica a 7600 anos-luz de nós. Na imagem os detalhes são nítidos: estrelas nunca vistas antes são visíveis. A área cavernosa foi esculpida na nebulosa por intensa radiação ultravioleta e ventos estelares de estrelas jovens extremamente massivas e quentes localizadas no centro da bolha. Não é incrível?

Fonte: NASA 

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Graduada em mídia, comunicação digital e jornalismo pela Universidade La Sapienza, ela colaborou com Le guide di Repubblica e com alguns jornais sicilianos. Para a revista Sicilia e Donna, ela tratou principalmente de cultura e entrevistas. Sempre apaixonada pelo mundo do bem-estar e da bio, desde 2020 escreve para a GreenMe.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest