Viver com um gato pode protegê-lo do staph resistente, mais uma razão para adotá-lo

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Bactérias de gatos saudáveis ​​ajudariam a produzir anticorpos com propriedades curativas para a nossa pele, de acordo com um estudo

Um novo estudo mostrou como a presença de um gato em nosso apartamento pode estimular a produção de anticorpos específicos em nosso corpo, que podem ser úteis no tratamento de infecções. Uma dessas abordagens é chamada de bacterioterapia e consiste no uso de bactérias “boas” conhecidas por oferecer vários benefícios à saúde e nos proteger da ação das bactérias “más” (isto é, bactérias patogênicas).

Nesse caso, os pesquisadores usaram bactérias de gatos contra o patógeno Staphylococcus pseudintermedius ( MRSP ), difícil de tratar por ser resistente à meticilina: esse patógeno é frequentemente encontrado em animais de estimação e pode proliferar se eles ficarem doentes ou feridos, chegando a pular para o Espécie humana. Os resultados do estudo sugerem que as bactérias “boas” em gatos oferecem proteção substancial contra MRSP: a coexistência com um gato saudável é suficiente para oferecer aos humanos uma boa proteção contra o patógeno, que pode causar eczema e outras irritações na pele. – outro grande motivo para adote um gato em nosso apartamento.

Os pesquisadores criaram um “catálogo” de bactérias normalmente encontradas em cães e gatos, e as fizeram proliferar ao lado da MRSP: isso lhes permitiu identificar uma espécie chamada Staphylococcus felis, capaz de bloquear o crescimento da MRSP – uma verdadeira máquina de guerra biológica em contraste este patógeno.

A eficácia do S, felis é incrível – dizem os pesquisadores. – É fortemente capaz de matar a bactéria patogênica, pois a ataca por vários lados (de acordo com uma estratégia chamada “polifarmácia”). Isso o torna muito atraente como terapia. Além disso, a bactéria é particularmente eficaz contra a resistência aos antibióticos: ela produz quatro diferentes peptídeos antimicrobianos que trabalham juntos para destruir a MRSP.

Certamente, muita pesquisa ainda precisa ser feita para desenvolver tratamentos médicos a partir dessas bactérias, mas se fosse possível transformar esse elemento natural em uma droga, as possibilidades de aplicação médica seriam infinitas. Por exemplo, pode ser traduzido em spray, creme ou gel, para permitir uma aplicação rápida e fácil na pele.

 

Fonte: eLife

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Com 25 anos e licenciada em Línguas Estrangeiras. Sempre esteve atenta às questões ambientais e visando um estilo de vida eco-sustentável. No seu pequeno caminho tenta minimizar a pegada ambiental com escolhas responsáveis, respeitando a natureza que a cerca.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest