O inverno começou: veja 7 dicas para proteger o seu pet do frio

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Com a chegada do inverno, algumas mudanças na rotina são necessárias para garantir a saúde e o bem-estar dos animais. Saiba quais são os sete pontos principais aos quais os tutores devem estar atentos, segundo especialistas.

Lugar da casinha ou da cama

Quando o assunto é frio, o primeiro cuidado que os tutores devem ter é com o local da casinha e da cama dos pets. Segundo o adestrador e comportamentalista Leandro Mendes, no caso das casas, elas devem ser na medida certa para o pet, visto que assim ele se sentirá mais confortável.

Para cães que ficam no quintal e não aceitam cobertores e caminhas, Leandro ressalta a importância de forrar o chão da casinha com EVA, tatame ou papelão, que são isolantes térmicos.

Outro ponto a ser observado é a posição da casinha. “O posicionamento da porta deve ser sempre para a parede, desta forma, em caso de temporais, a claridade dos raios e o vento não vão entrar no ambiente e o cachorro se sentirá seguro”, diz.

Já para os pets que vivem dentro de casa, é importante disponibilizar caminhas e cobertores para que o animal não deite diretamente no chão.

Providencie uma roupinha

No Brasil, geralmente, o pelo do animal e um abrigo protegido das correntes de vento são suficientes para proteger o pet em dias frios. Porém, em alguns casos, uma roupinha pode ajudar o animal a se manter aquecido.

“Um pinscher, por exemplo, tem o pelo curtinho e pouca massa muscular, o que faz com que ele sinta mais frio que um akita ou um husky siberiano, que têm pelagem muito mais longa e são originários de regiões de baixas temperaturas. Existem também os casos inversos, ou seja, cães de grande porte e pelagem curta, como rottweiler, ou de pequeno porte com pelagem longa, mas que costumam ser tosados bem rente à pele, como o shih-tzu. Para eles, pode ser indicada a proteção extra também”, explica a médica-veterinária Fernanda Pereira Risoli, coordenadora do Pronto Socorro do Veros Hospital Veterinário.

Fernanda lembra que a roupa deve ser confortável, sem muitos enfeites e, caso o bicho não aceite, o ideal é não insistir, sobretudo no caso de gatos.

“Eles valorizam a agilidade e liberdade de movimento, e. por serem animais sensoriais, o equilíbrio conta muito. Quem já tentou vestir um bichano provavelmente notou que a primeira reação deles é ficar paralisado, cair de lado ou mostrar dificuldade para andar”, diz.

Mantenha a higiene, mas fique de olho

Mesmo no inverno é importante manter a higiene do pet em dia. Porém os profissionais recomendam que o tutor preste atenção ao pet shop em que leva o animal, observando pontos como temperatura da água para o banho e se os secadores são de ar quente.

“Existem formas de realizar a higienização do seu cachorro em locais apropriados, como os pet shops, que possuem infraestrutura adequada para evitar as variações de temperatura”,

diz Thiago Calixto, sócio fundador de uma franquia focada em estética para cachorro.

A tosa higiênica preserva mais pelos

A tosa é outra ação de limpeza que deve ser mantida durante o inverno, porém a mais indicada para esta época do ano é a higiênica.

“Recomendo a redução da quantidade de pelos retirados na tosa, visto que os fios do animal auxiliam na temperatura. A famosa tosa higiênica é uma ótima opção, pois. além de aparar os locais necessários, é responsável por acertar as pontas da pelagem, por meio do corte de unhas e limpeza dos ouvidos”, indica o médico-veterinário Jairo Nunes Balsini, professor da Unisul.

 Atenção ao horário do passeio

Segundo os veterinários, é importante manter a rotina de passeios do pet. Porém é indicado que eles ocorram no horário em que o sol está aparecendo, visto que irá ajudar a aquecer o animal.

Em dias chuvosos, contudo, além de proteger o pet do frio, o ideal é também protegê-lo da água. “A capa de chuva pode ser uma ótima opção, desde que o cão se adapte a usá-la. No retorno para casa, é importante revisar se o animal está molhado, pois é importante secá-lo para evitar problemas de saúde, como resfriados e até mesmo dermatopatias, causadas devido à umidade do pelo, pele e ouvidos”, alerta a médica-veterinária Juliana Andrade, professora docurso de Medicina Veterinária do Centro Universitário da Serra Gaúcha – FSG.

 Invista no enriquecimento ambiental

Muitas vezes, o frio intenso pode impedir os tutores de sairem com o pet para passear. Nessas horas, os brinquedos são boas alternativas para os animais continuarem gastando energia.

“É indispensável que os bichos continuem gastando energia e se exercitando. Para fazer isso sem ter que sair, basta investir no enriquecimento ambiental, disponibilizando brinquedos para os cães e arranhadores para os gatos. Também é indicado brincadeiras com os humanos, como correr, pegar e pular”, recomenda Jairo.

 Mantenha a vacinação em dia

Manter a vacinação dos pets em dia é importante em qualquer época do ano, porém no inverno ela pode ajudar a manter algumas doenças longe do animal.

“No inverno, há uma maior propagação de vírus no ambiente, por serem muito mais resistentes do que em estações quentes, por isso os bichos precisam estar imunizados contra doenças virais. As mais comuns em cães são gripe canina e a cinomose, ambas evitadas por meio da vacina. Já nos gatos, vemos com mais incidência a rinotraqueíte”, alerta Jairo.

Fonte: Casa e Jardim

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest