Purslane é rico em ácidos graxos ômega 3 – você deve comer essa erva daninha, e não jogá-la fora

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Purslane, ou beldroega, é considerada uma erva daninha de hortas e jardins. Vamos descobrir por que, em vez disso, devemos comê-la

beldroega é uma planta que cresce selvagem, por isso considerada uma erva daninha. Mas é muito mais, porque beldroegas têm grandes propriedades benéficas para o nosso corpo: antes de mais nada é muito rica em ácidos graxos ômega 3.  Na antiguidade, principalmente no antigo Egito, era conhecida como planta medicinal. Depois, durante a Idade Média, desenvolveu-se nos países árabes e na bacia do Mediterrâneo, onde começou a ser cultivada por suas folhas grandes e suculentas.

A variedade olerácea é excelente para comer, contém mais ômega 3 do que qualquer outra fonte vegetal; estes são considerados importantes para prevenir doenças cardiovasculares, melhorar a circulação e reduzir o colesterol LDL. Em particular, em 100 gramas de folhas de beldroegas existem aproximadamente 350 mg de ácido α-linolênico, isto é, ácidos graxos do grupo ômega-3. Além da beldroega espontânea, também encontramos a variedade beldroegas sativa, mais indicada para cultivo em jardins, canteiros ou vasos.

Mas não é tudo, porque esta planta é rica em vitaminas A, B, C e E, beta-caroteno e minerais essenciais como magnésio , ferro , potássio , ácido fólico e cálcio.

Purslane também tê outras propriedades:

  • Diurético
  • Purificador
  • Sacia a sede
  • Antidiabético

A medicina popular o usa para tratar certos distúrbios intestinais, desde diarreia a vômitos, até hemorragias pósparto. Além disso, as folhas de beldroegas podem ser usadas como compressa em caso de:

Esta planta comestível pode ser consumida crua em saladas ou cozida e usada para enriquecer sopas, omeletes, como recheio de massas caseiras frescas, ou conservada em vinagre ou frita em uma deliciosa massa. Hoje, infelizmente, beldroegas são muito afetadas pelos herbicidas usados ​​na agricultura, então sua presença espontânea diminuiu muito.

Por isso, se você a encontrar em seu jardim, replante-a para consumi-la.

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest