Estudo de Oxford: o uso de telefones celulares não aumenta o risco de câncer no cérebro!

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

O uso regular de um telefone celular não aumenta o risco de tumores cerebrais, concluíram os pesquisadores da Universidade de Oxford.

Os temores sobre a possível ligação entre câncer e telefones celulares surgiram na década de 1990, quando os telefones celulares começaram a se espalhar e, apesar das preocupações com a possível radiação cancerígena , essas alegações agora se mostraram absolutamente erradas.

O estudo

A nova pesquisa rastreou mais de 400.000 britânicos ao longo de uma década e não encontrou nenhuma ligação entre o uso regular de telefones celulares e a prevalência de tumores cerebrais.

De fato, especialistas da Universidade de Oxford descobriram que 0,41% das mulheres que usaram celular desenvolveram um tumor cerebral, em comparação com 0,44% que nunca usaram os aparelhos.

O estudo, realizado na década de 1920, aumenta o crescente corpo de evidências que descartam as preocupações sobre a ligação entre telefones e câncer.

Kirstin Pirie, analista estatística e coautora do estudo, disse que:

Usar um telefone celular em condições normais não aumenta o risco de câncer no cérebro.

Os teóricos da conspiração há muito afirmam que as ondas de rádio emitidas pelos telefones podem penetrar no crânio e causar câncer. Essas alegações se tornaram ainda mais escandalosas nos últimos anos com o advento do 5G, que alguns alegaram estar ligado à pandemia de Covid.

Os pesquisadores de Oxford mostraram que esses são apenas falsos mitos. Em seu estudo, eles se basearam em dados de 400.000 mulheres sem câncer, com idades entre 50 e 80 anos, entre 2001 e 2011. No início e no final do estudo, os participantes foram questionados sobre o uso do telefone celular.

Suas respostas foram comparadas com seus registros médicos. Os pesquisadores então verificaram se alguém desenvolveu três tipos diferentes de tumores cerebrais: meningioma , adenoma pituitário e neuromas acústicos .

Outros fatores que podem contribuir para o câncer também foram considerados, como idade, índice de massa corporal, ingestão de álcool, tabagismo e níveis de exercício.

Os resultados mostraram que as pessoas que usaram um telefone durante o período de 10 anos tiveram uma chance 5% menor de desenvolver câncer no cérebro, em comparação com aquelas que nunca usaram um durante todo o período.

Além disso, as mulheres que usavam um telefone todos os dias eram um pouco mais propensas, cerca de 1% a mais.

Especialistas disseram que as pequenas diferenças de risco entre os grupos eram estatisticamente insignificantes.

No geral, das 286.387 mulheres que nunca usaram telefone celular em 2001, 1.261 desenvolveram um tumor cerebral em 2011, ou uma taxa de 0,44%. Enquanto isso, dos 556.131 que usaram um, 2.278 concluíram o estudo com um tumor cerebral (0,41%).

É verdade que os telefones celulares emitem ondas de radiofrequência na forma de radiação eletromagnética de suas antenas; e também é verdade que a área do corpo mais próxima das antenas, tipicamente a cabeça, tem potencial para absorver parte dessa energia.

No entanto, vários cientistas afirmaram que essas radiações não são ionizantes, o que significa que são de baixa energia, baixa frequência e não prejudicam as células, ao contrário dos raios X.

Fonte: JNCI

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Graduada em Línguas e Civilizações Orientais pela Universidade de Roma La Sapienza. Possui vários anos de experiência em comunicação digital. Apaixonada por beleza, fitness, bem-estar e moda sustentável.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest