O que acontece com o corpo quando você tem deficiência de cobre (e fontes para obter mais)

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Muitas vezes, quando falamos de deficiências, tendemos a pensar imediatamente em ferro, mas na realidade tanto em nosso corpo, nas jóias que usamos e nas panelas da cozinha, há um elemento tão presente quanto importante: nós estamos fando do cobre, um mineral de grande importância que estamos deixando faltar em nossa dieta.

De acordo com um estudo recente, o cobre na dieta ocidental está em declínio desde pelo menos a década de 1930: metade da população adulta consome menos cobre do que o recomendado pelas diretrizes europeias, enquanto pelo menos um quarto dos adultos americanos é deficiente.

O cobre ajuda a manter o sistema imunológico forte e aumenta os níveis de energia, promovendo a boa saúde do nosso sistema cardiovascular, e por isso é essencial tomá-lo na quantidade certa para não correr o risco de danos graves.

Vamos ver juntos o que acontece com o corpo quando uma deficiência de cobre se desenvolve e quais são as fontes para obter mais cobre.

O que acontece se não conseguirmos cobre suficiente?

O cobre é um nutriente essencial para o nosso corpo e desempenha um papel importante em muitas funções corporais, promove a produção de glóbulos vermelhos, ajuda a manter as células nervosas saudáveis ​​e fortalece o sistema imunológico, aumentando o número de glóbulos brancos que ajudam a prevenir infecções.

Além disso, o cobre é um dos três oligoelementos essenciais e faz parte das 16 enzimas atualmente conhecidas e é usado para reabsorver o ferro, ajudando no desenvolvimento e manutenção de vasos sanguíneos e tecidos conjuntivos saudáveis, razão pela qual obtê-lo em quantidade certa é importante, se não queremos incorrer em doenças cardiovasculares ou o aumento arriscado da pressão arterial e do nível de colesterol.

O cobre ajuda a prevenir a osteoporose, aumentando a densidade mineral óssea, promovendo a produção de colágeno e combatendo a inflamação, atuando como antioxidante no organismo, reduzindo ainda mais o risco de doenças crônicas.

O cobre promove a absorção de ferro através dos alimentos, portanto, uma deficiência de cobre é frequentemente associada a uma deficiência de ferro. Ambos os oligoelementos são essenciais para a produção de glóbulos vermelhos. A deficiência de ferro tende a se manifestar através de anemia e falta de substâncias pigmentantes, que por sua vez causam problemas de pigmentação da pele e embranquecimento prematuro e repentino dos cabelos. A anemia também se manifesta por exaustão, fadiga, problemas de concentração e mal-estar geral do corpo.

Quanto cobre devemos consumir por dia?

Dados os benefícios associados ao cobre e as preocupações com a ingestão insuficiente, é vital obter a dose diária certa desse mineral. Como outros minerais, a quantidade adequada de cobre necessária para nossa saúde varia de pessoa para pessoa, com base nos estágios da vida e na idade. A quantidade de cobre a ser ingerida, de fato, aumenta com o passar dos anos e quanto mais crescemos, maior a necessidade, principalmente para as mulheres durante a delicada fase da gravidez e amamentação. Em particular:

  • Bebês de até um ano de idade precisam de 200 mcg por dia de cobre,
  • Crianças de um a oito anos devem consumir entre 340 e 440 mcg de cobre por dia.
  • Durante a adolescência, a ingestão de cobre aumenta de 700 para 890 mcg,
  • Para adultos será necessário tomar cerca de 900 mcg por dia de cobre.
  • Um caso especial é o da gravidez, para a qual as mulheres precisarão de cerca de 1000 mcg de cobre por dia.

Quais são as melhores fontes para tomar cobre?

O cobre é geralmente consumido através da dieta , portanto, na presença de uma dieta balanceada, a deficiência de cobre ocorre apenas raramente.

Existem muitos alimentos ricos em cobre que podem ajudar a manter o corpo saudável e evitar essa deficiência, incluindo:

  1. Mariscos e crustáceos, como ostras ou lagostas
  2. Cogumelos shitake
  3. Grãos integrais
  4. Spirulina
  5. Feijões
  6. Nozes e sementes, como amêndoas, castanha de caju e sementes de gergelim
  7. Batatas
  8. Fígado
  9. Vegetais folhosos escuros como espinafre , couve e beterraba
  10. Chocolate escuro
Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Após terminar o bacharelado e o mestrado em tradução, tornou-se jornalista ambiental. Ganhou o prêmio jornalístico “Lidia Giordani”.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest