A “Capela Sistina” da pré-história foi encontrada na floresta amazônica: milhares de pinturas com mais de 12 mil anos

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Um achado extraordinário e uma das maiores coleções de arte rupestre pré-histórica do mundo: na Colômbia, no coração da Floresta Amazônica, ao longo de 12 quilômetros de paredes rochosas, foi descoberto o que os especialistas imediatamente chamaram de “a antiga Capela Sistina”. Dezenas de milhares de pinturas de animais e humanos criadas até 12.500 anos atrás.

Imagens que falam de uma civilização antiga e perdida, povoada entre outras por mastodontes – uma espécie pré-histórica de elefante típico da América do Sul – preguiças gigantes e cavalos da era do gelo.

A descoberta na verdade aconteceu ano passado, mas não havia sido anunciada até agora, pois fará parte de uma série inglesa do Canal 4, marcada para dezembro e intitulada “Mistério da Selva: Reinos Perdidos da Amazônia” .

O local está localizado na remota Serranía de la Lindosa e a diretora do documentário, Ella Al-Shamahi, arqueóloga e exploradora, disse ao Observer que “é tão novo que ainda não lhe deram um nome“. Empolgada por ter tido a chance de admirar uma arte criada há milhares de anos, Al Shamahi chamou a descoberta de “deslumbrante”.

A descoberta foi feita por uma equipe anglo-colombiana, financiada pelo European Research Council e liderada por José Iriarte, professor de arqueologia da Universidade de Exeter e um dos maiores especialistas em história amazônica e pré-colombiana.

capel-sistina-brasil

©Marie-Claire Thomas/Wild Blue Media

 “Começamos a ver animais que já estão extintos – diz ele. As imagens são tão naturais e tão bem-feitas que não temos dúvidas de que estamos olhando para um cavalo, por exemplo. O cavalo da Idade do Gelo tinha um rosto selvagem e pesado. É tão detalhado que podemos até ver o pelo. É fascinante”.

capel-sistina-brasil

©Marie-Claire Thomas/Wild Blue Media

As imagens incluem peixes, tartarugas, lagartos e pássaros, além de pessoas dançando e de mãos dadas. Enfim, uma descoberta excepcional que ainda tem muito a nos contar.

Fonte: The Guardian Observer

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Jornalista freelance, nascida em 1977, formada com honras em Ciência Política, possui mestrado em Responsabilidade Corporativa e Ética e também em Edição e Revisão.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest