Pi: como a constante de Arquimedes mudou nossas vidas

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

A data do Pi não é aletória, já que os ingleses escrevem 3,14, os primeiros dígitos de pi. Mas o que exatamente é isso? E por que é tão importante? O Pi influencia nossa vida diária de maneiras que nem imaginamos

Pi é uma constante matemática, ou seja, um número que tem um valor definido de forma abstrata, independente de medidas físicas. Depois da vírgula, já foram calculados mais de mil bilhões de dígitos. Tem outra peculiaridade. Sendo um número irracional e transcendental, pode continuar indefinidamente sem repetição. Essa natureza dele o torna um desafio divertido. Na verdade, é um número praticamente impossível de memorizar.

A história do Pi

Também conhecido como Constante de Arquimedes, o Pi é representado pela letra grega π, que é a inicial tanto da palavra grega περίμετρος (“perimetros”, perímetro) quanto da de Pitágoras. O primeiro a usar esse nome em 1706 foi o matemático inglês William Jones em seu texto A New Introduction to Mathematics. No entanto, sua história definitivamente remonta a um longo caminho.

Na verdade, o Pi é conhecido há cerca de 4.000 anos. Os primeiros a usá-lo foram os babilônios, interpretando-o como 3.125. Foi então a vez dos egípcios (3,1605) e dos chineses (3). Em 434 aC, Anaxágoras o usou para tentar a quadratura do círculo, mas no século III aC Arquimedes teve o mérito de aproximá-lo do 3,1419 que conhecemos hoje. Chegando aos dias atuais, até os supercomputadores se aventuraram a calcular números após a vírgula, chegando a 5 trilhões de números, mas não conseguindo escrever a palavra final dessa sugestiva combinação numérica.

PI na vida diária

Para se ter uma ideia do tamanho desse número, se pudéssemos preencher todos os troncos e folhas do mundo com milhares de dígitos, as florestas da Terra não seriam suficientes para representá-lo por inteiro.

Não apenas em problemas de matemática. O Pi sai da sala de aula, onde é usado para calcular a razão entre a circunferência e o diâmetro do círculo. Usando Pi em uma variedade de campos, do eletromagnetismo à mecânica quântica, Pi também é aplicado ao Princípio da Incerteza de Heisenberg, o período de oscilação do pêndulo e a força de Coulomb entre dois objetos eletricamente carregados. Essas leis da física derrubariam nossa vida diária se não tivessem Pi para governá-las.

As cordas de um violão que vibram, uma onda eletromagnética que se espalha, um perfume que se expande no ar, mas também a propagação de um vírus influenza, a temperatura que sobe em um objeto de metal. A produção industrial, a medicina, o design de edifícios e pontes também dependem do Pi.

Não são apenas as disciplinas científicas que usam Pi, mas também as ciências sociais, incluindo a estatística, que exploram a distribuição em forma de sino da curva Gaussiana, na qual a função Pi cai.

E então podemos realmente encontrá-lo em tudo ao nosso redor. Por exemplo, sabemos a que distância está o dedão do pé do umbigo? E o umbigo do alto da cabeça? A resposta é sempre baseada em 3.14, figura também encontrada nos arco-íris e círculos que se formam quando jogamos uma pedra na água.

Curiosidade

Você quer tentar lembrar os primeiros 19 dígitos? Memorize esta frase: “Salve, ó Roma, ó Mãe vigorosa das virtudes latinas que espalhas tanto esplendor luminoso com a tua sabedoria”. Em seguida, combine cada palavra com o número correspondente de letras que a compõem. Et voila: 3.14159 26535 89793 238.

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Jornalista freelance com especialização em editoração, comunicação, multimídia e jornalismo. Em 2011 ganhou o prêmio Dear Director e em 2013 recebeu o prêmio Jounalists in the Grass, devido à sua entrevista com Luca Parmitano.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest