Indonésia dá luz verde à castração química para abuso sexual infantil

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Na Indonésia, o presidente Joko Widodo introduziu uma nova lei que permitirá a castração química de infratores sexuais infantis. A prática envolve injetar uma solução que pode diminuir os níveis de testosterona na tentativa de suprimir o desejo sexual.

Cada vez mais países estão adotando decisões desse tipo para combater e punir aqueles que cometem crimes sexuais contra crianças. Abusar sexualmente de um menor é um ato indescritível, e o perpetrador, de acordo com a Indonésia, merece esse tratamento.

As novas diretrizes foram assinadas pelo presidente Joko Widodo no início de dezembro e darão aos juízes a opção de adicionar a castração ao condenar alguém por abusar sexualmente de uma criança. De acordo com as autoridades, isso deveria ser um impedimento.

Em particular, a pena pode ser imposta a perpetradores de violência sexual contra crianças, perpetradores de crimes que contemplem relações com crianças com violência ou ameaças de violência sexual e que obriguem as crianças a ter relações com eles ou com outras pessoas, autores de atos criminoso e obsceno para crianças com violência ou ameaças de violência sexual.

Na verdade, o país falava disso desde 2016, quando um caso de estupro contra uma criança literalmente chocou o país. Embora fosse tecnicamente permitido desde então, só em 2019 a castração foi praticada em um homem de Java Oriental condenado por estuprar várias crianças. Mas a dificuldade era encontrar médicos e instalações dispostas a fazer a castração. Desde então, o governo tem trabalhado até a atual aprovação da lei, apesar dos protestos de associações e grupos, incluindo a Anistia Internacional:

 “O abuso sexual infantil é indescritivelmente horrível. Mas sujeitar criminosos à castração química ou execuções não é justiça, é adicionar uma crueldade à outra ”, disse Papang Hidayat, pesquisador da Anistia Internacional para a Indonésia. “A castração química forçada é uma violação da proibição da tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes segundo o direito internacional”.

Rimmel Mohydin, ativista do Sul da Ásia da Anistia Internacional, também é da mesma opinião, conforme expressou há algumas semanas, quando a castração química foi introduzida no Paquistão.

“Punições como essa não vão consertar um sistema de justiça criminal imperfeito. Em vez de tentar desviar a atenção, as autoridades devem se concentrar no trabalho crucial de reformas que abordarão as raízes da violência sexual e darão aos sobreviventes a justiça que eles merecem e a proteção de que precisam”.

A Comissão Nacional de Violência contra as Mulheres do país também se manifestou contra a nova regra.

“O governo não alcançará seu objetivo com a castração, porque a violência sexual contra crianças ocorre devido a relações de poder desequilibradas (entre culpado e vítima) ou por causa da percepção dos perpetradores das vítimas”, disse a Comissária Siti Aminah Tarde. “O controle dos hormônios sexuais não acabará com a violência sexual.”

Pela nova lei, a castração pode ser realizada por até 2 anos.

Fontes: Detik , Anistia Internacional

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest