Assim, a Nova Zelândia vence o coronavírus e mostra o futuro que queremos

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Restaurantes lotados, boates abertas, empresas em pleno funcionamento: a Nova Zelândia está de volta à vida e começa a abrir suas fronteiras, por enquanto apenas para a Austrália.

A Nova Zelândia logo permitirá que os viajantes australianos visitem o país sem passar por um período de quarentena. A “muito baixa circulação do vírus nos dois países permite-nos enfrentar um novo capítulo na nossa recuperação”, sublinha a primeira-ministra Jacinda Ardern. Uma autêntica “bolha de viagens“, em suma, uma bolha de viagens que quase parece conduzir à normalidade e pela qual ansiamos.

Pelo menos é isso que está delineado, mas é óbvio, em sua declaração a premiê neozelandesa especifica que os visitantes deverão levar em consideração a possibilidade de que sua viagem sofrerá transtornos se novos surtos forem encontrados. Nada mal, se considerarmos que a Nova Zelândia é agora um país praticamente livre de Covid, com cerca de 80 casos ativos de infecção (dados atualizados até 7 de abril de 2021). Desde o início da crise, o país da Oceania teve 26 mortes. O penúltimo foi em setembro de 2020. O último foi em fevereiro.

Números que permitem não só viajar sem quarentena, mas também uma retomada concreta das atividades e um retorno à velha normalidade. Os restaurantes e bares estão lotados, assim como as boates ou eventos esportivos. Tudo voltou à vida, nunca esquecendo as regras a seguir e os protocolos a implementar sempre e em qualquer caso.

Agora, a chamada “fatura de viagem” começará em 19 de abril, disse Ardern, e sob as novas disposições, os passageiros não serão autorizados a viajar se tiverem um teste de Covid positivo nos 14 dias anteriores ou se estiverem com sintomas de gripe.

“Este é um passo importante em nossa resposta à Covid e representa um acordo que não acho que tenhamos visto em nenhum outro lugar do mundo. Ou seja, para abrir viagens internacionais com segurança para outro país, enquanto continua a buscar uma estratégia de eliminação e um compromisso de manter o vírus longe” , disse Ardern na entrevista coletiva.

Em suma, o cenário atual reflete a pronta resposta de Jacinda assim que surgiram os primeiros sinais do vírus no país. Já no final de abril de 2020, uma primeira batalha foi anunciada sobre a pandemia.

 Como a Nova Zelândia conseguiu conter o vírus imediatamente

A Nova Zelândia venceu e, sim, por baixo disso, representa o futuro que todos aspiramos. Mas isso será possível em um círculo tão estreito? É preciso dizer que a Nova Zelândia tem uma condição geográfica extremamente favorável do seu lado, o que foi, sem dúvida, um fator decisivo. O país é formado por duas grandes ilhas, que por si só facilitam o isolamento social. Além disso, são apenas 5 milhões de habitantes, menos que a cidade do Rio de Janeiro. Mas também é preciso dizer que, de imediato, a premiê “encarou o vírus de frente” com medidas exemplares e uma estratégia multifacetada:

  • Fechou as fronteiras imediatamente, em março de 2020, quando a Europa ainda olhava para a Itália com desconfiança e ceticismo, na Nova Zelândia os aeroportos ficaram fechados por seis semanas;
  • Implementou um dos bloqueios mais rígidos do mundo: no mesmo período, todos os estabelecimentos e lojas não essenciais foram fechados. Apenas farmácias, supermercados e postos de gasolina ficaram abertos;
  • Contribuições econômicas de US $ 50 bilhões para empresas e trabalhadores;
  • A primeira ministra Jacinta Arden deu o exemplo imediatamente ao cortar seu salário em 20% e falou com eficácia à nação, dirigindo-se aos grupos mais fracos e não esquecendo até mesmo as crianças;
  • Ela imediatamente encorajou o uso da máscara, mesmo quando a própria OMS ainda não a tivesse incluído em seus protocolos de segurança para retardar a infecção.

E ainda hoje, que está revivendo a vida, a Nova Zelândia não canta vitória e se reabre para o resto do mundo com cautela. No início de 2020, antes da crise, 17.500 passageiros desembarcavam na Nova Zelândia todos os dias. Um ano depois, o número caiu para 400. E a ministra promete não reabrir tudo até que 100% da população esteja vacinada.

Apesar, portanto, das vantajosas condições geográficas e demográficas, o país da Oceania deu e está dando uma bela e preciosa lição ao mundo.

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest