Na Guatemala, esta menina salvou noivas crianças e promoveu a proibição de casamentos forçados

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Na Guatemala, uma jovem corajosa desafiou as tradições que ditam o casamento forçado de meninas em seu país. É Joseline Velásquez Morales, feminista e ativista incluída em novembro de 2018 pela BBC no ranking das 100 mulheres mais influentes do ano para premiar sua preciosa contribuição às atividades da ONG GOJoven Guatemala Association .

Os casamentos forçados de meninas e crianças são uma praga social que afeta muitos países ao redor do mundo, incluindo a Guatemala. A jovem guatemalteca Joseline Velásquez Morales representa uma líder e uma referência em seu país na proteção dos direitos sexuais e reprodutivos de mulheres, meninas e meninas.

Por meio da ONG GOJoven Guatemala, a jovem Joseline luta para realizar uma mudança radical nas políticas nacionais sobre essas delicadas questões. Joseline trabalha para informar grupos de meninas sobre seus direitos e explica que é legítimo escolher a educação ao invés do casamento precoce e da gravidez na adolescência.

Na Guatemala, Joseline, como coordenadora nacional de políticas da referida ONG, junto com seus colegas, alcançou mais de 13.000 mulheres jovens, ofereceu cursos de capacitação em saúde sexual e reprodutiva e apoiou com sucesso uma série de leis destinadas a defender os direitos de meninas e meninos. Joseline tem tentado com todos os meios e recursos à sua disposição proteger as muitas meninas cujo destino, de acordo com algumas normas sociais tradicionais ainda enraizadas, legitimadas por forças políticas conservadoras e patriarcais, não é educar-se e encontrar seu próprio caminho de vida independente, mas permanecer ancorada no trabalho de cuidar dos filhos e nos deveres familiares.

Joseline – que morava em um bairro pobre da Cidade de Guatemala – notava desde criança que as amigas com quem brincava na escola ou na rua sumiam de repente; em alguns casos, ela as viu reaparecer meses depois, com um filho dependente e um casamento forçado, que servia para defender “a honra da família”.

Joseline tinha apenas 12 anos, mas já percebeu que, se isso acontecia na capital guatemalteca, a situação no meio rural só poderia ser pior. Na Guatemala, a taxa de casamentos e uniões prematuras aumenta significativamente nas comunidades maias, que representam cerca de 40% da população do país.

Por isso Joseline passou a participar de cursos organizados por algumas ONGs, justamente para conhecer seus direitos em termos de saúde reprodutiva, assédio sexual, violência doméstica, casamentos precoces, mas acima de tudo para exigir proteção governamental e estatal.

Graças ao apoio e sacrifícios de seus pais, ela recebeu uma educação adequada para se formar e estudar jornalismo na universidade. Após a formatura, Joseline decidiu se dedicar em tempo integral ao combate à desigualdade de gênero, ao casamento infantil e à gravidez na adolescência, em um país onde cerca de 30% das meninas se casam (à força) antes dos 18 anos.

Meninas, às vezes menininhas, de repente param de brincar, de estudar, mas, acima de tudo, de sonhar. Nos workshops organizados nas escolas, Joseline ficava chocada com o facto de haver muito poucas raparigas que sonhavam em ser cientistas ou astronautas, mas sabendo que a pobreza por vezes priva-as de sonhos e esperanças. A tarefa de Joseline é encorajar as jovens a reagir e a iniciar uma luta em defesa dos seus direitos, da sua dignidade e, consequentemente, do seu futuro.

Joseline estava cada vez mais ciente de que além de ir às escolas para estabelecer um diálogo direto com as meninas, explicando seus direitos e tentando fazê-las sonhar novamente, era necessária uma intervenção massiva no nível político-institucional. A vontade do estado de realmente fazer algo era, portanto, essencial; com a intermediação do GOJoven ela finalmente conseguiu se fazer ouvir pela classe política, obtendo uma grande vitória no âmbito legislativo: uma emenda ao código civil guatemalteco aumentou a idade de casamento para dezoito anos, como parte da reforma de 2017.

Fontes: GOJoven Guatemala/Assembleia

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest