Dia dos Mortos: como é comemorado em vários países do mundo, do Halloween ao Día de los Muertos

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Existem aqueles que celebram os mortos com um espírito alegre e vivo, como acontece no Dia de los muertos mexicano, e aqueles que exorcizam o medo da morte com disfarces monstruosos. Talvez para normalizar o desconhecido, torne-o seu e tenha menos medo dele. E também aqueles que, seguindo a tradição católica, visitam os cemitérios trazendo flores e velas de presente para os fiéis que partiram.

Não são, entretanto, as únicas recorrências dedicadas aos mortos. Em todo o mundo existem muitos outros, celebrados em várias épocas do ano. Aqui estão os mais famosos, curiosos ou incomuns que passaram da Irlanda, terra natal de Samhain, para a Guatemala.

Irlanda: Samhain

Foram os irlandeses que trouxeram a tradição do Halloween, que era originalmente o Celtic Samhain , para a América. E na Irlanda o aniversário continua a ser particularmente sentido. As fogueiras fazem parte da tradição, que originalmente servia para afastar a má sorte e os espíritos malignos. Cumprindo assim a mesma função que disfarces monstruosos.

Igualmente importantes são a abóbora entalhada, que antigamente era um nabo, e alguns alimentos típicos como o Barmbrack, sobremesa feita com frutas secas e frutas cristalizadas, que segundo a tradição deveria conter objetos simbólicos úteis para prever o futuro.

O dedal, por exemplo, significa que quem o encontra nunca vai se casar. A moeda representa um ano próspero, o anel representa o romance, o trapo está associado à instabilidade financeira.

Entre os festivais irlandeses mais importantes está o Festival da Púca, durante o qual é possível assistir a eventos musicais, fogos, espectáculos diversos. Púca, que lhe dá o nome, é um espírito mutante que vagueia na noite, mudando o destino de quem cruza seu caminho. O festival é celebrado em vários locais: em Athboy, County Meath, em Trim, em Drogheda, uma das cidades mais antigas da Irlanda, e a partir de 2021 também em Slane.

Estados Unidos: Halloween

Abóboras esculpidas, aranhas gigantes, fantasmas infláveis ​​e lápides, esqueletos e teias de aranha por toda parte: nos Estados Unidos, o Halloween é uma recorrência “exagerada” em todos os sentidos. Os desfiles que envolvem muitos mascarados todos os anos também são incríveis. Como aquele que começa no Greenwich Village de Manhattan.

Filipinas: Pangangaluluwâ

O Halloween também é celebrado hoje em dia nas Filipinas, onde, no entanto, existe uma tradição muito mais antiga chamada “Pangangaluluwâ” , que persiste especialmente em algumas áreas rurais. A tradição prevê que as pessoas (principalmente crianças e adolescentes) vão de casa em casa cantando, pedindo esmola em troca. As canções ajudariam a diminuir o sofrimento das almas do Purgatório, segundo relata Las casas filipinas de acuzar.

México: Día de los Muertos

Entre o final de outubro e os primeiros dias de novembro no México é celebrado o Día de los Muertos , cujas origens remontam ao mundo pré-colombiano, em particular o asteca. Pessoas que celebraram um festival semelhante por volta de agosto.

Os altares colocados em cada casa são um elemento característico da festa. São fotos dos falecidos, seus pratos preferidos, o “Pan de muertos”, uma sobremesa típica polvilhada com açúcar, e mais velas, incenso, chempasùchil, caveiras açucaradas que levam o nome de “Calaveras de azúcar” e “papel picado” , Retângulos de papel recortados em várias cores. Os cemitérios nesta ocasião estão cheios de flores e pessoas.

Guatemala: Festival de Barriletes Gigantes

Os habitantes de Sumpango e Santiago Sacatepéquez, Guatemala, se reúnem em cemitérios no início de novembro para homenagear os mortos, carregando pipas coloridas gigantes feitas de bambu, tecido e papel. Uma tradição que aparentemente remonta a mais de 3.000 anos e que se origina das culturas indígenas, que consideravam as pipas ferramentas para se comunicar com antepassados ​​falecidos.

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Graduada em Ciências do Patrimônio Cultural, editora web desde 2008 e ilustradora desde 2018, publicou "O sonho no tempo" para a Editore Giochidimagia. Com SpiceLapis ela criou "Memento Mori, um guia ilustrado para os cemitérios mais bizarros do mundo".
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest