Covid: um segmento de DNA herdado dos neandertais descoberto que resiste à infecção grave do vírus

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Por que alguns de nós parecem estar mais protegidos do vírus Covid-19 do que outros? Certamente a idade, patologias anteriores, sistema imunológico e obesidade desempenham um papel importante na disseminação do Coronavírus, mas por trás dessa “resistência” à doença também parece haver uma razão genética – pelo menos de acordo com um novo estudo publicado recentemente, que tentou responder a esta pergunta. Segundo os pesquisadores suecos, uma variante de um de nossos genes faria diferença no possível desenvolvimento de uma forma mais grave da infecção, pois afetaria nossa resposta imune ao vírus.

A resposta estaria contida em uma porção do genoma que nossa espécie herdou do cruzamento com a espécie Homo Neanderthalensis e que seria responsável pela diminuição de 20% no risco de desenvolver a Covid-19 na forma grave. Na Europa e na Ásia, as comunidades sapiens e neandertais se fundiram e se cruzaram, dando origem a mutações genéticas que não ocorreram em outros continentes; ao mesmo tempo, os genes dessas novas populações não tiveram contato ou foram influenciados por outras comunidades de hominídeos, originários da África. É precisamente nestas contaminações primitivas que reside a diferente resistência dos humanos modernos ao vírus SARS CoV2.

Já outra pesquisa , realizada na Alemanha, havia revelado a existência de uma área do cromossomo 12 ligada ao risco de desenvolver formas graves de Covid-19, embora ainda não estivesse claro qual gene era responsável pelo desenvolvimento grave ou não da doença.

Agora as observações genéticas mostraram que as populações de hominídeos que permaneceram na África e que não sofreram contaminação genética deram origem à mutação genética de hoje que diminuiria o risco de infecção grave por Covid-19 em 20%: é uma variante do gene Oas1 (sigla rs10774671), responsável pela produção de uma proteína um pouco mais longa que o normal.

O comprimento anormal da proteína determinaria sua maior eficácia na inibição da replicação de alguns vírus, incluindo o SARS CoV2. Esse mecanismo de proteção natural já havia sido descoberto, em setembro passado, por um estudo piloto sobre o assunto realizado por pesquisadores da Universidade de Glasgow que mostrou o quanto os fatores genéticos hereditários desempenham um papel muito importante na disseminação e gravidade do Coronavírus.

schema nature

Fonte: Nature

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Com 25 anos e licenciada em Línguas Estrangeiras. Sempre esteve atenta às questões ambientais e visando um estilo de vida eco-sustentável. No seu pequeno caminho tenta minimizar a pegada ambiental com escolhas responsáveis, respeitando a natureza que a cerca.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest