A batalha dos índios colombianos contra a Coca-Cola continua: “vamos proibir a venda em terras ancestrais”

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Você vai se lembrar da história da comunidade indígena Nasa na Colômbia, à qual o colosso da Coca Cola alertou para não usar a palavra “coca” para os produtos que vende. Agora, os representantes das tribos Nasa e Embera Chami responderam enviando uma carta à multinacional e dando -lhe 10 dias para explicar seu ” uso não consensual ” da palavra “Coca” na Coca-Cola.

Um contra-ataque em todos os sentidos, portanto, que se concentra em produtos obtidos da  folha de coca que vêm de Cauca, região colombiana habitada por esses indígenas. Um longo processo que vem de uma estigmatização histórica dessa planta e de preconceitos gerados em grande parte pela cocaína.

Você não pode usar a marca COCA sem consultar os povos indígenas, vamos respeitar o direito que temos. Por enquanto, as organizações pediram explicações antes de iniciar os pedidos correspondentes, escreve Fabiola Piñacué, líder da NASA.

Se a empresa não responder, as comunidades ameaçam ” medidas judiciais e comerciais “, incluindo ” a proibição de venda de seus produtos em territórios indígenas “. Segundo a Agência Nacional de Terras da Colômbia, são territórios que cobrem quase um terço do país.

Durante séculos, os povos indígenas, especialmente Colômbia e Peru, no continente mascaram a folha de coca e a defenderam como parte de seu patrimônio cultural. Os povos indígenas da Colômbia estão autorizados por lei a cultivar a planta e comercializar os produtos resultantes. Um desses produtos, a Coca Pola , foi produzido pela empresa local Coca Nasa durante quatro anos.

Há três meses, como dissemos, a Coca-Cola ameaçou processar a Coca Nasa, que emprega cerca de 20 pessoas e produz alimentos, remédios tradicionais, bebidas e outros produtos à base de coca.

A Coca-Cola havia pedido à empresa – dirigida por membros da comunidade indígena da NASA – que ” cessasse e desistisse permanentemente de usar o nome Coca Pola ou qualquer termo similar que pudesse ser confundido com marcas registradas ” de propriedade da gigante das bebidas.

Mas agora, por sua vez, NASA e Embera Chami alegam que a marca de 100 anos da Coca-Cola, registrada sem consultá-los, equivale a uma “ prática abusiva ” que viola “ os sistemas nacionais, andinos e internacionais de direitos humanos ”.

A cerveja Coca Pola está no mercado há quatro anos (a Coca Nasa produz sete mil por mês.). Com o tempo, veremos se a contra-ofensiva indígena dará frutos. Enquanto isso, já existem dois precedentes: em 2007 a Coca Cola pediu a retirada da bebida Coca Sek do mercado, mas perdeu na Justiça; em 2012, uma organização indígena ganhou uma ação judicial contra um empresário colombiano que havia registrado a marca Coca Indígena sem consultar os representantes dos povos indígenas.

Fonte: AFP

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Jornalista freelance, nascida em 1977, formada com honras em Ciência Política, possui mestrado em Responsabilidade Corporativa e Ética e também em Edição e Revisão.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest