Bombas de fragmentação e termobáricas na Ucrânia: o que são e por que usá-las é um crime de guerra

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

O ataque russo na Ucrânia não mostra sinais de diminuir sua força violenta: agora há milhares de mortes entre russos e ucranianos, civis e soldados, enquanto quase 700.000 pessoas já deixaram o país e estão batendo desesperadamente às portas da União Europeia. Os bombardeios russos pesados, que não poupam alvos civis, como hospitais ou escolas, estão colocando em risco a vida de milhares de pessoas – muitas das quais são crianças.

Atacar escolas e hospitais, como a Rússia está fazendo, é um crime contra a humanidade – como destacou a associação humanitária Anistia Internacional , que também denuncia o uso de armas proibidas, como bombas de fragmentação. Esses dispositivos não são muito precisos, mas têm um alto poder destrutivo: após a primeira explosão, de fato, eles dispersam uma série de bombas menores (submunições chamadas bomblets ), que transformam a área circundante em um verdadeiro campo minado. As pessoas, portanto, morrem tanto como resultado da explosão quanto como resultado das minas não detonadas. O uso de bombas de fragmentação é atualmente proibido pela Conferência de Oslode dezembro de 2008, assinado por 84 países – sem contar Estados Unidos, Rússia, China e Ucrânia.

A associação lançou um apelo na web para pedir ao ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, a cessação imediata das hostilidades e o respeito ao direito internacional humanitário, para salvar a vida dos milhares de civis ucranianos que estão atualmente ameaçados pelos bombardeios, mas também do frio, da escassez de alimentos e remédios, do terror.

Ataques a objetos protegidos como hospitais e escolas, o uso de armas explosivas de amplo efeito, como mísseis balísticos e artilharia em áreas civis, e o uso indiscriminado de armas proibidas, como bombas de fragmentação, podem constituir crimes de guerra – lê-se no texto da petição . – A Federação Russa está agindo em clara violação de suas obrigações sob o direito internacional. Suas ações são flagrantemente contrárias às regras e princípios em que a ONU foi fundada. Ele está abusando de sua posição como membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas para se proteger da responsabilidade.

Você pode fazer sua contribuição assinando a petição neste link.

 

Fonte: Anistia Internacional

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Com 25 anos e licenciada em Línguas Estrangeiras. Sempre esteve atenta às questões ambientais e visando um estilo de vida eco-sustentável. No seu pequeno caminho tenta minimizar a pegada ambiental com escolhas responsáveis, respeitando a natureza que a cerca.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest