Crianças com camisa de força: polícia investiga escola de São Paulo por maus tratos infantis [vídeo]

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram pelo menos quatro crianças chorando amarradas, com os braços presos por panos, como se estivessem imobilizadas por ‘camisas de força‘. Isso se passou em uma escola infantil particular da Zona Leste da cidade de São Paulo.

Nos vídeos é possível ver que as crianças estão dentro de um banheiro, sentadas em cadeirinhas de bebês, no chão, embaixo de uma pia e próximas à privada. Uma mãe disse ao g1 que identificou seu filho em dois vídeos.

Segundo apurado pelo G1, as imagens foram gravadas dentro da Escola de Educação Infantil Colmeia Mágica, na Vila Formosa, que é agora alvo de um inquérito policial aberto no Central Especializada de Repressão a Crimes e Ocorrências Diversas (Cerco) da 8ª Delegacia Seccional. A Colmeia Mágica atende crianças com menos de poucos meses a 6 anos de idade,

Além do crime de maus-tratos, a escola também está sob suspeita de periclitação da vida e da saúde, que seria colocar a vida das crianças em risco, e submissão de crianças a vexame ou constrangimento.

Essa não é a primeira vez. A escola já havia sido investigada há cerca de dois anos pela polícia por suspeita de maus-tratos contra um aluno. E em 2010, uma aluna chegou morta ao hospital após ter passado mal dentro da unidade escolar.

Ao reunir todas essas informações, há indícios de que os crimes seriam recorrentes e os peritos confirmaram ainda que os vídeos que circulam na web e mostram as crianças amarradas foram gravados dentro da escolinha.

A diretora, alguns professores e funcionários da Colmeia Mágica já prestaram depoimentos na polícia. Pais de alunos também prestatram esclarecimentos na delegacia. Eles acusaram a diretora como responsável pelos maus-tratos e retiraram seus filhos da Colmeia Mágica após as denúncias.

A mãe viu o filho de quase 2 anos nos vídeos que circulam na internet prestou depoimento à polícia.

“Identifiquei meu filho em dois vídeos. O primeiro, ele estava em um banheiro com mais quatro crianças amarradas, e no segundo, estava chorando com mais três bebês em uma sala no escuro”, disse ao g1.

Segundo ela, seu filho ficou com sequelas em razão do trauma que sofreu.

“Vem apresentando um nervosismo intenso, dificuldade para dormir, ele chora quando vamos colocar ele na cadeirinha do carro, sabe. Nós achávamos que era de desenvolvimento dele, mas hoje com todas essas informações sabemos que é devido à forma que ele era tratado. Ele estudava lá desde os 11 meses.”

 

Castigo e tortura

A mãe de uma menina de 1 ano e 4 meses ouviu de professoras que algumas crianças passavam o dia inteiro de castigo na sala da diretora.

A bebê dela ficava no berçário, mas também sofreu.

“Minha filha ficava sem comer. As crianças que choravam muito eram amarradas no bebê conforto com um lençol, como se fosse uma ‘camisa de força’ e deixava eles trancados dentro do banheiro.”

Outra mãe contou que o filho de 2 anos voltava chorando para casa.

“As professoras falaram que não sabiam o que acontecia lá dentro, mas ouviam os gritos dele chorando muito e ela [diretora] gritando mandando ele calar a boca.”

Ela também ouviu de uma professora que

“a diretora jogou um copo de água gelada na cara dele [do seu filho] e mandou ele acordar para a vida.”

“Acordar para a vida?” Amarrar crianças no banheiro? Deixá-las sem comer? Do que mais algumas pessoas são capazes de fazer com crianças inocentes?

Fonte: g1

 

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest