O aborto na Carta dos Direitos Fundamentais: o Parlamento Europeu não quer que se repita o que aconteceu nos EUA

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Condena veementemente, mais uma vez, o retrocesso em matéria de direitos das mulheres e saúde sexual e reprodutiva e direitos conexos em todo o mundo “, assim o Parlamento Europeu assume uma posição clara e unificada e vota a favor da inclusão do direito a aborto na Carta dos Direitos Fundamentais da Comunidade Europeia.

Este é um passo histórico, que aconteceu graças a uma resolução não legislativa aprovada em Estrasburgo com 324 sim, 155 não e 38 abstenções e que impedirá qualquer tipo de tentativa de retrocesso e anulação dos direitos das mulheres pelo menos na Europa, distanciando-se a decisão da Suprema Corte americana segundo a qual  o aborto não é um direito expresso pela Constituição e, portanto, não pode ser praticado no país (quem quiser interromper a gravidez, na verdade, terá que ir a um dos estados americanos que continuar a garantir a liberdade de escolha).

Os eurodeputados submetem assim ao Conselho uma proposta destinada a alterar o artigo 7º da Carta uma vez que ” todas as pessoas têm direito ao aborto legal e seguro ” e aguardam a reunião do Conselho Europeu para convocar uma Convenção para a revisão dos tratados, como já reafirmado na  resolução de 9 de Junho.

aborto ue

Na resolução, os eurodeputados expressam preocupação com um possível aumento do fluxo de dinheiro para financiar grupos anti-gênero e anti-escolha no mundo, inclusive na Europa, e assim instam os países europeus a descriminalizar o aborto, eliminar e combater as restrições restantes. jurídica, financeira, social e prática em alguns Estados-Membros.

Os países da UE devem garantir o acesso a serviços de aborto seguro, legal e gratuito – lê-se – aos serviços de saúde pré-natal e materna, ao planeamento familiar voluntário, aos serviços adequados aos jovens, bem como à prevenção, tratamento e apoio. contra o HIV, sem qualquer discriminação. A Comissão e os Estados-Membros devem intensificar o seu apoio político aos defensores dos direitos humanos e aos prestadores de cuidados de saúde que trabalham para promover a saúde e os direitos sexuais e reprodutivos (SRHR) .

Em suma, o enorme retrocesso que corria o risco de repercutir no resto do mundo ocidental da “maior democracia do mundo” parece ter sido evitado por enquanto. Recolhemos, no entanto, os pedaços de uma sociedade fragmentada e dividida que – mais uma vez – deve sublinhar nos direitos ao som das resoluções o que normalmente pertence a cada indivíduo.

Fonte: Parlamento Europeu

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Jornalista freelance, nascida em 1977, formada com honras em Ciência Política, possui mestrado em Responsabilidade Corporativa e Ética e também em Edição e Revisão.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest