Crise climática: o calor está nos deixando mais agressivos

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Não só as plantas e os animais sofrem os efeitos negativos da crise climática em curso e do aquecimento global imparável, mas também o homem se vê enfrentando temperaturas cada vez mais altas e cada vez mais difíceis de suportar.

Fisiologicamente, nosso organismo não está preparado para suportar temperaturas acima de 35°C por muito tempo: vários estudos, de fato, mostram que quando o calor enfraquece o organismo, seu desempenho em vários campos diminui, com consequente diminuição da produtividade; além disso, muito calor está ligado a um aumento da agressividade e diminuição das habilidades cognitivas. Com as temperaturas subindo constantemente em todo o mundo, os efeitos do calor extremo no comportamento humano começam a representar um problema que não deve ser subestimado.

São sobretudo os países economicamente menos desenvolvidos, com recursos limitados para utilizar em sistemas de refrigeração, os que mais sofrem: os efeitos do aquecimento global são os mesmos em todo o lado, mas a forma como se manifestam é profundamente desigual.

Calor x agressividade

Os cientistas têm observado os humanos lutarem contra o calor excessivo por mais de um século. Um estudo realizado há alguns anos por um grupo de psicólogos observou conversas entre casais de estudantes que não se conheciam, realizadas em uma sala onde o termostato era ajustado a cada vez para uma temperatura diferente (de 14 ° C a 36 ° C) . Posteriormente, os participantes do experimento foram solicitados a ‘quantificar’ o nível de hostilidade que percebiam durante as conversas: descobriu-se que os alunos que conversavam em uma temperatura mais alta automaticamente se mostravam mais agressivos do que aqueles que estavam na sala em uma temperatura mais suportável.

O calor torna as pessoas mais irritáveis ​​e agressivas: todos nós tendemos a perceber as coisas de forma mais maliciosa e a tolerar menos as pessoas quando está muito quente. No entanto, essa ‘hipótese de agressão pelo calor’ que surgiu do experimento é difícil de provar fora do laboratório, porque é difícil extrapolar o efeito negativo do calor de outras variáveis ​​ambientais ou biológicas relacionadas à agressão.

Calor x desempenho

A relação entre calor humano e comportamento humano vai muito além da violência e da agressão. Pense, por exemplo, nos alunos que fazem exames de verão em salas de aula quentes e que são forçados a lutar com altas temperaturas para se preparar e estudar: certamente seus desempenhos não serão tão bons quanto os obtidos durante o estudo de inverno. Uma pesquisa realizada no ano passado em escolas norte-americanas destacou como os alunos que fazem exames em um dia particularmente quente (temperatura de cerca de 32°C) têm 10% menos chance de passar do que aqueles que fazem em um dia mais frio (com temperatura de cerca de 24 ° C).

A pesquisa também analisou como as altas temperaturas podem afetar o estudo e o desempenho do aprendizado dos alunos por um longo período de tempo. Por isso, mais de 21 milhões de resultados escolares de 10 milhões de alunos que fizeram o mesmo exame pelo menos duas vezes entre 1998 e 2012. Dessa forma, foi possível comparar os alunos com eles mesmos. Constatou-se que os resultados obtidos costumam ser melhores no segundo teste do que no primeiro teste, mas com uma exceção: os alunos que fizeram o exame em escolas sem ar condicionado tiveram um desempenho pior do que o esperado.

Esse declínio no desempenho não é percebido apenas no ambiente escolar, é claro, mas também no mundo do trabalho. Um estudo recente realizado com operários indianos em Surat mostrou como, em fábricas sem sistemas de ar condicionado, há um declínio na produção diária que varia de 2 a 8% , quando a temperatura passa de 30 ° C a 35 ° C (a produtividade começa cair quando a temperatura diária exceder 20 ° C). Pesquisadores estimam uma queda na produtividade média de 2,1% ao ano em todos os setores produtivos do mundo, se mantivermos constante o aumento das temperaturas globais que estamos presenciando.

Agora a gente entende mellhor a expressão “fica frio”, não é?

 

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Com 25 anos e licenciada em Línguas Estrangeiras. Sempre esteve atenta às questões ambientais e visando um estilo de vida eco-sustentável. No seu pequeno caminho tenta minimizar a pegada ambiental com escolhas responsáveis, respeitando a natureza que a cerca.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest