Atos aleatórios de bondade têm consequências muito maiores do que pensamos

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Ser gentil pode melhorar o humor, mas nossos atos de bondade para com os outros ainda são bastante raros, provavelmente porque muitos de nós subestimamos as consequências positivas.

De acordo com uma nova pesquisa, quem pratica um ato gentil foca muito na ação ou objeto que está oferecendo, minimizando os benefícios. Os destinatários, por outro lado, estão mais focados na emoção que derivam de um presente ou ajuda, independentemente do valor do objeto recebido ou da quantidade de ajuda.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores realizaram uma série de experimentos. Em um primeiro teste, os participantes foram convidados a escolher entre oferecer uma xícara de chocolate quente a um estranho ou guardá-la para si. Das 84 pessoas, 75 decidiram oferecer chocolate a tantos destinatários que foram solicitados a descrever como se sentiam.

Em uma escala de -5 a 5, os destinatários relataram uma média de 3,5, enquanto aqueles que ofereceram o chocolate esperavam um resultado de 2,7. Os participantes, portanto, subestimaram o benefício desse gesto.

O experimento foi repetido para outros 200 participantes, substituindo o chocolate por cupcakes. As formas como o segundo teste ocorreu foram um pouco diferentes, mas os resultados foram semelhantes: quem recebeu o cupcake de presente ficou muito mais feliz do que o esperado.

Independentemente de ser chocolate quente, cupcakes ou algo de maior valor, gestos gentis melhoram muito o humor do destinatário e é o simples ato de gentileza que proporciona o benefício.

Além disso, graças a outro experimento, os pesquisadores descobriram que a generosidade é contagiosa e que aqueles que recebem um gesto de bondade são mais propensos a retribuir. Então, se queremos que outras pessoas sejam legais conosco, uma boa estratégia pode ser começar por nós mesmos, começando a tratar os outros com educação e respeito e dando pequenos gestos gentis aleatórios para completos estranhos.

Fontes: Journal of Experimental Psychology: General

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest