Leis precisam ser revistas: menina de 11 anos que teve aborto negado engravida novamente por estupro

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Um ano após ter sido estuprada e ter o direito ao aborto negado, uma menina de 11 anos, foi novamente vítima de violência sexual e está grávida pela segunda vez. Em setembro de 2021, a criança natural da zona rural de Teresina, no Piauí, deu à luz depois de ter sofrido um estupro pelo primo de 25 anos. Dessa vez, quem cometeu o crime foi seu tio.

De acordo com resultados de um exame realizado na última sexta-feira (9), no Serviço de Atendimento às Mulheres Vítimas de Violência, da Maternidade Dona Evangelina Rosa, em Teresina, a menina está grávida de três meses. Na época em que engravidou pela primeira vez, sua mãe não autorizou o aborto, alegando riscos de morte na realização do procedimento.

Segundo uma reportagem da Folha de S. Paulo, a menina também resolveu seguir com a primeira gestação, no entanto, a decisão lhe trouxe traumas. Desde que o filho nasceu, ela abandonou a escola e se negou a fazer tratamento psicológico. A relação com os pais também foi muito conflituosa e há cerca de um mês, passou a viver em um abrigo de Teresina. Os profissionais do local é que desconfiaram que ela poderia estar grávida novamente.

O pai da garota defendeu que a menina fizesse um aborto legal, mas pela segunda vez, a mãe não autorizou. Por esse motivo, a interrupção da gravidez não foi realizada na maternidade Dona Evangelina Rosa.

“A menina já vive um trauma da primeira gravidez, não tem condições de cuidar de mais uma criança. Ela está sem dormir, perdendo sua infância. Mas a mãe não autorizou o aborto”,

diz a conselheira tutelar, Renata Bezerra.

Segundo os familiares, o suspeito do crime continua solto. O caso é investigado pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente.

Que sociedade é essa que força uma criança de 11 anos a ter o seu segundo filho por estupro? Quem vai ajudá-la a cuidar das crianças? Precisamos de educação, punição a estupradores e leis que garantam que o direito ao aborto (cada vez mais difícil em um país conservador e retrógrado) seja cumprido.

Fonte: Jetss

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest