Professora cria caderno de elogios e aumenta a autoestima dos alunos

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Inspirada no Diário de Elogios, produzido pela Seicho-no-ie, aa professora Sandra Cristina da Silva Cassiano utilizou folhas de rescunhos que iriam para o lixo e criou uma ferramenta que transformaria a visão que os alunos tinham sobre eles mesmos.

Os materiais modestos do caderno de elogios pouco importavam, a essência da iniciativa de Sandra era fazer com que os estudantes se vissem como pessoas especiais que são de fato.

“O objetivo era fazer com que eles mesmos se vissem de forma positiva e não apenas repetir palavras bonitas. No início, alguns diziam ‘não professora, eu sou burro, não consigo’. Ficou mais perceptível que precisávamos elevar a autoestima autoconfiança deles”, relembra.

 

Com o caderno, a professora mostrou que com palavras positivas e frases afirmativas, os estudantes poderiam descobrir a autoestima o que, com o tempo ela percebeu, melhorou o desempenho e o relacionamento dentro e fora da escola.

Sandra ressalta ainda que caderno mostra como o afeto do aluno para com ele mesmo, da família e entre os colegas de sala e funcionários da escola, atrelado ao conhecimento adquirido nas aulas, pode construir outra visão de vida nos estudantes.

Os alunos internalizam que existe um mundo a se conquistar ao saírem da escola.

“Às vezes os nossos alunos se limitam por conta da realidade difícil em que estão inseridos. Eles acabam acreditando que só porque vivem numa situação periférica ou não tem tantas possibilidades só terão aquilo pela frente. Então quando você trabalha a autoestima deles desde a infância, eles podem se tornar adultos mais confiantes e seguros de si”,

destaca a professora que possui vinte anos de carreira na educação, tendo experiência em psicopedagogia clínica e institucional.

Deixando uma lição

Hoje a professora não atua mais na instituição onde o projeto foi iniciado, o Centro de Educação Integrada de Maracajaú, em Maxaranguape. Mas, como semente plantada em solo fértil dá bons frutos, o caderno segue sendo utilizado como elemento pedagógico da instituição por outros professores que acreditaram no poder transformador dele.

Quando a professora Sandra encontra antigos estudantes, hoje já crescidos, percebe o quanto foi importante na vida deles trabalhar o emocional no ambiente escolar.

“É muito gratificante ouvir deles coisas como ‘professora, a senhora foi importante não só na minha disciplina em sala de aula, mas da minha vida inteira. Eu aprendi a me reconhecer’, eles falam. Isso é para sempre. Eu também tenho mães que ainda têm o caderninho de elogio da época dos meninos pequenos. Então isso é muito emocionante”, conta.

Apaixonada por educação, como ela deixa bem evidente ao falar com entusiasmo sobre o caderno, Sandra conta que se conseguir fazer algo positivo no dia a dia de um aluno já valeu a pena o seu trabalho.

“Sabemos que não vamos conseguir ajudar de todo mundo, mas, assim, a cada ano eu tenho de 30 a 40 alunos. Se eu conseguir entre esses 30 fazer diferente na vida de um, para mim eu já ganhei o ano letivo. Como professora isso para mim já é o auge”, diz ela grata pelo trabalho.

Conhecer o Diário de Elogios, da filosofia japonesa Seicho-no-ie – prega que o poder da gratidão e das palavras positivas podem influenciar em uma vida mais feliz – foi um divisor de águas na vida da professora Sandra.

Praticar o elogio para ela em todas as etapas da sua vida foi primordial para que ela quebrasse barreiras e internas e se aceitasse.

A professora também se trasformou

Na infância, conheceu o bullying por parte dos colegas e internalizou que não seria capaz de conquistar muitas coisas. Tinha questões com o corpo e cabelo. Mas, essa Sandra ficou para trás, conseguiu sair de uma realidade dura, se tornou professora e hoje exala autoconfiança e amor próprio por onde passa.

Muito disso, construído a partir da gratidão pela vida.

“O que eu percebo na Sandra que passou a praticar o elogio foi a autoconfiança em primeiro lugar. A elevação da autoestima para mim também essencial porque eu não me aceitava. Hoje eu consigo me sentir muito mais completa”, ressalta ela.

Fonte: Só notícia boa

 

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest