Fantástico! Contra a discriminação, nativos bolivianos andam de skate com roupas tradicionais

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Conhecidas como cholitas, são as mulheres indígenas aimarás e quíchuas da Bolívia que enfrentaram séculos de marginalização. Na realidade eles estão prontas para qualquer coisa, como escalar a montanha mais alta da América , mas com o tempo até suas roupas tradicionais, feitas de saias volumosas (as polleras), altos chapéus brancos adornados com fitas e cabelos envoltos em longas tranças, foram sujeitas à discriminação.

Agora, um grupo de jovens indígenas está pronto para fazer a revolução com aquela roupagem ancestral colorida e trazer as polleras – um verdadeiro símbolo de identidade no campo boliviano – de volta à cidade usando-as durante as competições de skate.

Eles são Dani Santiváñez e outros oito amigos que fundaram o coletivo ImillaSkate em 2018 , usando a palavra nativa para ” jovem “. Sediadas em Cochabamba , as nove mulheres usam roupas tradicionais para andar de patins. Uma maneira maravilhosa, portanto, de reivindicar e expressar com orgulho sua identidade indígena e celebrar a herança cultural das cholitas.

As roupas são tipicamente associadas às mulheres indígenas das regiões montanhosas, depois que a conquista espanhola no século XVI impôs as roupas à população indígena. Nos séculos seguintes a roupa se tornou parte da identidade local e agora os ImillaSkate estão recuperando suas raízes e usando as polleras como peça de resistência.

Minha mãe tem um ditado – nasci com uma pollera e morrerei com uma – e carrego sua crença, diz Deysi.

Os companheiros de equipe passam longas horas praticando no Olantay Park, um dos dois lugares da cidade com rampas e outras instalações projetadas para o esporte. Saias na altura do joelho incham e giram a cada volta, salto e queda ocasional. Dirigir e realizar acrobacias complexas nas camadas pesadas, eles admitem, não é fácil. Mas é único.

Embora o coletivo esteja sediado em Cochabamba, o grupo gerou uma enorme audiência de mídia social que atravessa as fronteiras da Bolívia, com quase 15.000 seguidores no Instagram. Eles também mantêm uma página no Facebook e um canal no YouTube, onde alguns de seus vídeos obtêm milhares de visualizações.

 

Fontes: ImillaSkate / National Geographic

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Jornalista freelance, nascida em 1977, formada com honras em Ciência Política, possui mestrado em Responsabilidade Corporativa e Ética e também em Edição e Revisão.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest