Do Brasil para Beirute: pesquisadores do Ceará querem enviar pele de tilápia para tratar queimadura

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC) está trabalhando para viabilizar o envio de 40 mil cm² de pele de tilápia (todo o estoque do Projeto Pele de Tilápia) para ajudar as vítimas da megaexplosão que ocorreu na capital libanesa no último dia 4.

O material que, segundo estudos é eficaz no tratamento de queimaduras, poderia ser usado para tratar as cerca de 5 mil pessoas que ficaram feridas no acidente. Dado que tratamentos de queimaduras são feitos com pele humana, mas que bancos desse material são realmente raros no mundo, a pele de tilápia poderia ser uma alternativa, embora haja burocracia e outros problemas.

Ocorre que a pele da tilápia é ainda um produto experimental, está em fase de avaliação e ainda não foi autorizado pela Anvisa. Por isso, o envio não é certo.

Como informa o Diário do Nordeste, para fazer com que o material chegue ao Líbano, é necessário que haja interesse de ambos os países na cooperação. Por isso, os pesquisadores brasileiros estão tentando viabilizar o envio, sensibilizando as autoridades brasileiras.

“Como é um material de pesquisa, os ministérios da Saúde dos dois países precisam se contactarem e autorizarem o envio e o uso. Mas a pesquisa já está bem avançada e os resultados de efetividade de efeito já são comprovados e publicado em artigos nacionais e internacionais”, explica Felipe Rocha, biólogo e pesquisador do projeto.

Como funciona o tratamento

Estudos indicam o potencial terapeutico da pele de tilápia no tratamento de queimaduras de 2° e 3° graus, por seus efeitos regenerativo e anestésico.

O método de tratamento desenvolvido pelos médicos cearenses é pioneiro no mundo.

“No Brasil, para tratar queimaduras, usamos normalmente um creme com efeito de 24 horas. Todos os dias, é preciso trocar o curativo, tirar o creme, enxaguar a área queimada, colocar o creme novamente e fazer um novo curativo”, explica Edmar Maciel, cirurgião plástico e presidente do Instituto de Apoio ao Queimado (IAQ), que desenvolveu o procedimento. “Isso acaba sendo muito trabalhoso, custoso e doloroso”, acrescenta.

Como um protetor natural, a pele do peixe é colocada sobre a queimadura ali permanecendo por vários dias, sem que haja a necessidade da constante e dolorida troca do curativos.

Fonte fotos: Sanarmed

Problema ambiental

A tilápia está no topo da lista dos peixes de água doce mais criados e comercializados no Brasil. Somos um dos maiores produtores dessa espécie. Ocorre que, infelizmente, como se poderia imaginar, a tilapicultura é uma ameaça ao meio ambiente, como alerta o professor coordenador do Laboratório de Ecologia de Peixes e Invasões Biológicas da UEL, Mário Orsi.

“Em um estudo que realizamos em um rio barrado, constatamos que, após a instalação de tanques de tilápia na região, 11 de 14 espécies nativas foram extintas”, revela o biólogo.

É preciso considerar todos esses aspectos para que a pele do peixe venha a ser uma alternativa não só eficaz como viável, talvez usando o descarte e não fomentando ainda mais uma piscicultura que possa ser problemática para o meio ambiente.

Talvez te interesse ler também:

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest