Vacinas anti-Covid Pfizer e Moderna: quais as diferenças e como funcionam

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Desde final de dezembro, na União Europeia, as pessoas começaram a ser vacinadas contra a Covid-19, com faixas de risco que correspondem às prioridades (em primeiro lugar o pessoal de saúde e quem vive em casas de repouso). Já existem duas vacinas aprovadas pela EMA, a primeira produzida pela Biontech-Pfizer, a segunda pela Moderna.

Mas, quais são as diferenças entre as duas? Vamos esclarecer.

Na realidade, ambas as vacinas exploram o mesmo mecanismo porque são “RNA”, o que gerou polêmica (e muitas notícias falsas). As diferenças de atuação e recomendações, todas reportadas nos sites oficiais dos fabricantes, bem como das agências europeias e italianas que decidem sobre a colocação dos medicamentos no mercado, devem-se essencialmente à amostra experimental e à composição global.

O que significa “vacina de RNA”

acina-covid-pfizer-moderna 2

©CROCOTHERY/Shutterstock

A resposta está na bioquímica: as proteínas das quais os organismos vivos, incluindo os humanos, são feitos, são produzidas por um mecanismo extraordinário, porém perfeito, pelo qual nosso DNA produz uma fita de RNA chamada mensageiro (mRNA) no processo denominado ‘transcrição’.

Este minúsculo filamento “ensina” as células a fazer uma única proteína (e outras têm a informação de outras proteínas). O mecanismo é realmente muito complexo, envolve muitas partes da célula, mas essencialmente cada mRNA corresponde a uma proteína que tem um papel específico no funcionamento geral do organismo vivo onde reside.

vacina-covid-pfizer-moderna

©Designua/Shutterstock

As vacinas de RNA exploram exatamente isso. O mRNA introduzido em nosso corpo com a vacina, ensina nossas células a produzir uma única proteína, o pico viral da SARS-CoV-2, que estimula a resposta imune. Por sua natureza, o mRNA se degrada rapidamente, deixando a proteína spike do vírus “livre” e nosso sistema imunológico em guarda.

 As vacinas de RNA podem mudar nosso código genético? Não, porque o mRNA se degrada muito rapidamente (se fosse esse o caso, a propósito, vírus inteiros fariam isso muito melhor).

 As vacinas de RNA podem infectar o corpo? Em teoria não, porque elas produzem uma única proteína viral. Conforme relatado no site da Aifa, “leva mais tempo para obter dados significativos para demonstrar se as pessoas vacinadas podem infectar e infectar outras pessoas de forma assintomática”.

Na verdade, a resposta imune não é imediata e, portanto, entre a administração da vacina e o desenvolvimento de anticorpos, infelizmente, podemos ser infectados. Por isso, é preciso seguir com cautela. E é por isso que ouvimos de vez em quando sobre alguns profissionais de saúde que, infelizmente, deram positivo para Covid após a vacinação.

As diferenças entre as vacinas Covid atualmente aprovadas na Europa

O mecanismo subjacente às vacinas atualmente aprovadas, portanto, é o mesmo. Já as recomendações de uso, desde a faixa etária em que pode ser utilizado até o tempo que deve decorrer entre as duas doses, são diferentes.

  1. A vacina da Pfizer atualmente não é recomendada para crianças menores de 16 anos, enquanto a Moderna só é usada após os 18 anos.
  2. Ambas as vacinas vêm em duas doses, mas a Pfizer recomenda esperar 21 dias entre a primeira e a segunda dose, enquanto a da Moderna recomenda 28 dias.
  3. Ambas as vacinas podem não ser igualmente eficazes em imunocomprometidos, mas a Pfizer parece ser mais segura de usar do que a Moderna.
  4. As duas vacinas, no entanto, atualmente não são recomendadas durante a gravidez e amamentação

Mas, se o mecanismo é o mesmo, por que essas diferenças? A resposta está na amostra teste (exceto para o tempo entre as doses, o resultado da evidência da resposta imune). Em outras palavras, as empresas farmacêuticas fizeram escolhas parcialmente diferentes que levam a recomendações diferentes. No caso da Pfizer, por exemplo, também foram incluídos jovens de 16 a 18 anos, enquanto no experimento Moderna, não.

Os tempos de teste foram objetivamente mais curtos do que nunca para uma vacina. Isso não significa que pularam fases, que foram as mesmas de qualquer experimento, mas significa que só é possível usá-las sob certas condições, ao menos por enquanto.

Tudo, porém, é relatado detalhadamente nas fichas de produtos, disponíveis gratuitamente na internet.

 Fontes: AIFA / Comissão Europeia

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest