A variante Omicron resiste por dias em superfícies e é imune a qualquer tipo de desinfetante,

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Desde os primeiros dias da emergência pandémica ainda em curso, sublinhamos a importância de lavar as mãos com frequência (usando produtos desinfetantes especiais) e de higienizar superfícies e objetos com os quais entramos em contato, para evitar o risco de transmissão do Coronavírus que, como sabemos, permanece em superfícies que podem se tornar um veículo de propagação da doença.

Entretanto, com o passar dos meses e a disseminação de novas variantes do vírus original, aprendemos a conhecer melhor o nosso “inimigo” e a enfrentá-lo de forma mais adequada. Vários estudos já foram realizados para entender melhor as formas de transmissão do vírus e a eficácia das práticas de higiene pessoal e ambiental na redução do risco de contágio.

Agora, um novo estudo realizado no Japão por pesquisadores da Universidade de Kyoto analisou as diferenças na estabilidade ambiental viral entre a forma original do vírus SARS-CoV-2 (o detectado em Wuhan, China) e variantes subsequentes: surgiu que em plásticos e superfícies de pele, todas as variantes da cepa original (portanto, Alpha, Beta, Delta e Omicron) têm uma sobrevivência muito maior do que a cepa Wuhan – mais que o dobro da sobrevivência.

Mas não é só isso: além de permanecerem mais tempo nas superfícies e resistirem melhor à ação desinfetante dos produtos saneantes, também possuem maior duração da carga infecciosa – com média de 16 horas. Esses dois fatores explicariam por que essas variantes são mais difundidas, com maior aumento do risco de transmissão por contato.

@ BioRxiv

Como se pode entender também observando os diagramas acima, a variante mais resistente e durável de todas é sem dúvida o Ômicron, descoberto pela primeira vez na África do Sul há alguns meses: sua resistência em material plástico é em média oito dias, enquanto em a pele é capaz de resistir até um máximo de 21 horas; a variante também é equipada com uma incrível resistência à ação de sanitizantes e desinfetantes comumente usados ​​para a prevenção do Covid.

@ BioRxiv

Fonte: BioRxiv

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Com 25 anos e licenciada em Línguas Estrangeiras. Sempre esteve atenta às questões ambientais e visando um estilo de vida eco-sustentável. No seu pequeno caminho tenta minimizar a pegada ambiental com escolhas responsáveis, respeitando a natureza que a cerca.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest