O que acontece com seu corpo se você mantiver o celular no bolso da frente da calça

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Ainda há debate sobre os riscos reais do uso do celular, alguns estudos mostram o perigo de muitas vezes manter esses aparelhos contra o ouvido durante as ligações, mas até mesmo carregar o smartphone com você no bolso da frente da calça pode não ser uma boa opção.

Mas os possíveis efeitos danosos causados ​​pelas ondas emitidas pelos dispositivos móveis não afetam apenas o cérebro. Há também estudos sobre o hábito de guardar o celular no bolso da frente da calça, o que afetaria a saúde do esperma.

Um estudo foi realizado no Centro Médico Technion e Carmel em Haifa (Israel) e os resultados mostraram possíveis riscos, principalmente para os órgãos genitais masculinos. Na prática, deve-se evitar manter habitualmente o celular no bolso, pois a radiação pode interferir na boa saúde dos espermatozoides e, consequentemente, aumentar o risco de infertilidade.

Por quê? De acordo com o estudo, é em particular o calor desenvolvido pela radiação que é prejudicial aos espermatozóides que resulta na redução da motilidade e vitalidade. Portanto, é aconselhável manter o celular o mais longe possível das partes íntimas. Foi visto na amostra de pessoas analisadas que quem costumava guardá-lo no bolso tinha o dobro do risco de ter que lidar com um problema de fertilidade.

Anteriormente, outro estudo (que contém dados de 10 pesquisas anteriores), realizado por uma equipe da Universidade de Exeter , destacou as consequências negativas na qualidade do esperma do hábito de guardar o celular no bolso. De acordo com os resultados obtidos, de fato, a exposição prolongada e repetida a campos eletromagnéticos de baixa frequência (EMR) pode reduzir a motilidade e vitalidade dos espermatozoides.

A opinião da Sociedade Italiana de Andrologia (SIA)

Os especialistas da Sociedade Italiana de Andrologia (SIA) ressaltam que a pesquisa, até o momento, não é suficientemente clara sobre o assunto e, em alguns casos, foi realizada em animais. Portanto, é necessário entender melhor qual a influência que as ondas eletromagnéticas podem realmente ter na fertilidade masculina.

Como afirmou Fabrizio Palumbo, diretor científico do SIA:

Estudos mostram que as ondas eletromagnéticas dos telefones celulares podem causar interferência térmica no eixo que vai do hipotálamo às gônadas; novamente devido ao calor gerado pela bateria, eles podem danificar o trato genital masculino se forem mantidos muito próximos a ele porque, como é sabido, os testículos são muito sensíveis à hipertermia. As crianças, por suas características anatômicas, são ainda mais vulneráveis. Tudo isso emerge de modelos animais in vitro, mas é muito menos claro quais são as consequências sobre a fertilidade quando se trata de analisar o que acontece em humanos.

Alessandro Palmieri, presidente da SIA, destaca que, embora não haja respostas certas, ainda é bom ter a máxima prudência:

Os dados disponíveis são conflitantes. Algumas pesquisas relatam efeitos negativos na contagem de espermatozóides, motilidade e morfologia, mas outras não indicam uma correlação. O grande problema é a heterogeneidade dos estudos, realizados em diferentes populações e sob diferentes condições de exposição, em termos de duração, de alguns minutos até 16 horas. (…) Por esta razão ainda não é possível dar uma resposta certa e hoje não temos provas irrefutáveis ​​de que exista uma correlação entre o uso de smartphones e o declínio da fecundidade; apesar disso, dados os dados que sugerem um possível impacto negativo, julgamos oportuno convidar todos os homens a utilizarem o telemóvel com cautela.

As regras para evitar riscos

A SIA aconselha a todos os homens estes hábitos simples para evitar riscos:

  • Não guarde o telefone no bolso da frente das calças
  • Ligue e navegue na internet apenas quando houver recepção máxima (reduzindo assim a emissão de ondas)
  • Não coloque o telefone no colo enquanto estiver dirigindo ou sentado
  • Restringir o uso desses dispositivos abaixo de 10 anos

Por outro lado, em relação aos dispositivos comerciais que prometem reduzir a exposição às ondas eletromagnéticas, a SIA alerta que não há nenhum que seja realmente eficaz.

E os riscos para as mulheres?

Estudos, até o momento, destacaram os efeitos nocivos principalmente em homens em contato próximo com telefones celulares, mas não se exclui que essa exposição também seja prejudicial para as mulheres (obviamente, são necessárias confirmações científicas). A exposição à radiação pode, de fato, causar uma redução no número de oócitos e causar problemas de fertilidade.

Enquanto aguarda a confirmação, é melhor evitar manter o celular no bolso. Por segurança, vamos sempre colocá-lo na bolsa.

Fontes: Reproductive BioMedicine Online / University of Exter / Agi

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest