Efeito estufa: descoberto como uma enzima pode eliminar o monóxido de carbono e limpar o ar

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Foi descoberto o mecanismo que permite que as enzimas presentes no solo em algumas bactérias eliminem o monóxido de carbono, CO, da atmosfera. É o que emerge de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Milano-Bicocca em colaboração com a Universidade da Calábria e a Universidade de Lund, na Suécia, e que permitiu entender como essas enzimas transformam CO em dióxido de carbono. o que é

Um resultado que daria esperança para novas soluções para a mitigação das emissões de monóxido de carbono, com efeitos benéficos tanto na qualidade do ar como no clima, uma vez que este gás altamente tóxico contribui para o aumento do efeito de estufa.

Após vinte anos de estudos dedicados a entender o processo de oxidação do CO por uma determinada enzima contendo molibdênio e cobre, a chamada MoCu CO desidrogenase, o grupo de pesquisadores conseguiu agora reproduzir pela primeira vez um mecanismo de reação, explicando como a enzima MoCu CO desidrogenase transfere um átomo de oxigênio da água, transformando o monóxido em dióxido de carbono.

O CO2 produzido é utilizado pelas próprias bactérias e, portanto, não é liberado na atmosfera.

O que é monóxido de carbono?

É um gás, também conhecido como monóxido de carbono, que é produzido por uma reação de combustão na ausência de ar. A fórmula do monóxido de carbono é um átomo de oxigênio e um átomo de carbono ligados por uma ligação tripla (CO) .

©ACS Catal.

A atmosfera contém, em pequenas proporções, diversos gases devido tanto a fontes naturais quanto a emissões antrópicas, como o CO – explica Claudio Greco, vice-diretor do Departamento de Ciências Ambientais e da Terra. As enzimas capazes de transformar CO em CO2 estão presentes em diversos microrganismos do solo e são capazes de “consumir” cerca de 15% do monóxido de carbono na atmosfera.

A descoberta pode marcar o movimento em direção à possibilidade de projetar compostos que funcionem da mesma forma e que possam ser usados ​​tanto em sensores de nova geração para detecção de CO quanto para redução de emissões desse gás em processos industriais.

Fonte: Catálise ACS

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Jornalista freelance, nascida em 1977, formada com honras em Ciência Política, possui mestrado em Responsabilidade Corporativa e Ética e também em Edição e Revisão.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest