Terapia pioneira com cannabis reverte sintomas de Alzheimer em idosos do Paraná

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Um estudo pioneiro com cannabis já tratou 28 pacientes com Alzheimer no Paraná e o principal: os quadros clínicos da doença ficaram estáveis por até 6 meses, entre eles, o agricultor Delci Ruver, de 78 anos. Ele conta que voltou a se lembrar de coisas básicas que esquecia.

O trabalho, feito pela Unila – Universidade Federal da Integração Latino-Americana -, em Foz do Iguaçu, acompanha pacientes com Alzheimer para ver o quanto o quadro deles melhora com o uso do óleo da planta. E os resultados do estudo mostram que após 22 meses de acompanhamento, Delci, teve uma reversão dos sintomas com melhoras no humor, sono e memória, além da doença se manter estável durante todo esse período, ou seja, não piorou.

“Sou outra pessoa agora e todo mundo tem percebido isso. Meu dia a dia mudou em tudo. Eu me esquecia de coisas básicas, saía de casa para ir a um lugar e parava em outro totalmente diferente. Agora não, eu vou e volto, durmo bem, acordo mais disposto e faço meu chimarrão”, contou o agricultor.

Delci mora junto com a mulher Gayer Ruver, de 77 anos, em uma área rural de Planalto, no Sudoeste do Paraná.

Dona Gayer revela que enquanto a doença do marido foi piorando, ela precisou ficar mais ligada nas atitudes dele, com o passar dos anos.

“Era complicado deixá-lo sozinho. Passei a dormir só depois que ele se deitava por medo de ele esquecer o fogão ligado ou sair de casa. Ele esquecia a porteira aberta e não podia mais ficar perto do açude pelo risco de algum acidente. Agora ele já percebe detalhes importantes e dá para levarmos uma vida mais tranquila”, comenta a esposa.

 

O estudo

E Delci está em muito boas mãos! O estudo que avalia os efeitos do uso diário de um extrato composto por THC (Tetrahidrocanabinol) e CBD (Canabidiol), é feito pela neta e farmacêutica Ana Carolina Ruver Martins.

Ela afirma que a pesquisa se iniciou em 2017 quando Ruver já apresentava um grau moderado de Alzheimer.

Ele passou a fazer uso diário de 500 microgramas de extrato da cannabis, preparada com uma maior concentração de THC. Hoje, ele segue utilizando as gotas do composto todos os dias antes de dormir.

No segundo semestre de 2021, outros 28 pacientes diagnosticados com Alzheimer, em estágio leve e moderado, também passaram a ser acompanhados. Metade do grupo fez dosagem de óleo de cannabis, enquanto a outra usou placebo.

Para os cientistas, “os pacientes que fizeram uso de canabinoides durante seis meses se mostraram clinicamente estáveis”.

Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil, pelo menos um milhão e 200 mil pessoas vivem com alguma forma de demência e 100 mil novos casos são diagnosticados por ano aqui no país.

Fonte: Só Notícia Boa

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Nascida e criada em São Paulo, é publicitária formada pela Faculdade Cásper Líbero e Master em Programação Neurolinguística. Trabalha como redatora publicitária, redatora de conteúdo e tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por animais e viagens, morou no Canadá e no Uruguai, e não dispensa uma oportunidade de conhecer novos lugares e culturas.
Você está no Facebook?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Facebook
Siga no Pinterest